Crianças que moram em casas com fumaça de fumaça entre 60 e 150 cigarros

O fumante Isso não só compromete a sua saúde. Todos aqueles ao seu redor e respirar a fumaça expelida por seus cigarros também desenvolvem problemas de saúde. Esta é uma das razões pelas quais os pediatras recomendam que o tabaco seja um elemento proibido em casa e que os pais que o consomem sempre tentem fazê-lo o mais longe possível de seus filhos.

Um lembrete ao qual a Sociedade Espanhola de Pneumologia e Cirurgia Torácica se junta em seu estudo de exposição a fumaça. tabaco ambiental de 0 a 3 anos em 'Prevenção do Tabagismo. Relatório em que é claro que crianças em lares com fumantes sofrem mais infecções respiratórias e internações hospitalares.


Maior vulnerabilidade

Embora qualquer pessoa exposta a fumar sofra as consequências do tabagismo passivo, no caso das crianças a vulnerabilidade é maior. Sua menor superfície corporal e peso, juntamente com a quantidade de horas que passam em casa (especialmente em épocas como o inverno), os torna mais propensos a desenvolver doenças respiratórias.

Avaliar os efeitos do tabagismo passivo na infância, mais especificamente de 0 a 3 anos, um estudo retrospectivo, transversal, realizado nas clínicas pediátricas de atenção primária do Centro de Saúde Artilleros, em Madri, onde participaram 150 crianças, das quais 56,7% eram meninos e meninas. 43,3% meninas


Da amostra total, 43,3% apresentou exposição à fumaça ambiental, dos quais 61,5% eram crianças e 38,5% meninas. Das crianças expostas ao tabagismo passivo, 56% foram por ter pai fumante, 27,8% por mãe fumante e até 15% por cuidador primário.

Estima-se que crianças de lares fumantes receberiam uma dose anual total de nicotina equivalente ao fumo entre 60 e 150 cigarros ao ano. Os responsáveis ​​por este trabalho destacam outros estudos em que foi demonstrado que a exposição ao fumo do tabaco no ambiente.

Assistência e doença

Este estudo também confirmou que o número metade dos episódios e consultas com o pediatra para infecções respiratórias, entre outras necessidades de saúde, foram maiores em crianças expostas à fumaça do tabaco do que em crianças que não o fizeram. Desta forma, as crianças expostas ao fumo do tabaco tiveram uma média de 9,0 casos de infecções respiratórias, em comparação com 7,4 crianças que não foram expostas.


Uma média de 11,8 consultas ao pediatra em comparação com 9,4 dos não expostos, uma média de encaminhamentos para atendimento especializado de 1,9 comparado a 1,1 em pacientes não expostos; e uma média de 0,3 de renda por infecções respiratórias, também maior em crianças expostas ao fumo, em comparação com 0,2 naquelas não expostas. O número de episódios de infecções do trato respiratório superior em crianças expostas foi maior que o não exposto, seja o pai fumante ou a mãe o fumante

No caso de infecção do trato respiratório inferior, apenas a diferença no número de episódios em crianças foi estatisticamente significante exposto e não exposta, quando a mãe era fumante.

Damián Montero

Vídeo: 17. Lesson. Reformation of the church system - The Pioneer school


Artigos Interessantes

Primeiros socorros em crianças

Primeiros socorros em crianças

Há inúmeras ocasiões na vida de nossos filhos em que não podemos discernir entre a verdadeira urgência de um simples susto. Por esta razão, é bom ter algumas noções de primeiros socorros, tanto para...

10 perguntas e respostas sobre frascos de bebê

10 perguntas e respostas sobre frascos de bebê

Quando, após seis meses, você deve começar com o alimentação complementar do bebê, muitas dúvidas surgem, especialmente no que diz respeito à comida para bebé. Embora algo em casa sempre seja melhor,...