Coloque ele para dormir de costas

Uma das piores experiências que podem ser experimentadas é aproximar-se do berço de nosso bebê e descobrir que, sem causa aparente, morreu. Embora a cada ano ocorram entre 370 e 550 mortes na Espanha devido à morte súbita (a cada 1.000 bebês entre 1 e 1,5 anos morrem por esse motivo), essa tragédia pode ser evitada e evitada em muitos casos, seguindo recomendações simples de pediatras.

Síndrome da Morte Súbita do Lactente (SMSI) é a morte súbita e inexplicável de uma criança com menos de um ano de idade, durante o sono. E, embora apenas a possibilidade de isso nos acontecer seja aterrorizante, na Espanha a síndrome é a principal causa de mortalidade em bebês até onze meses, Por isso, é necessário que, sem obcecar, conheçamos os fatores de risco e os métodos de prevenção.


Segundo os pediatras, a parada respiratória que causa a morte súbita é causada pela imaturidade do sistema nervoso e pelo controle da função cardiorrespiratória do bebê: se o bebê apresenta sintomas de asfixia ou sofre de apnéia (suspensão mais ou menos prolongada da respiração durante o o sonho), não será capaz de ativar mecanismos de reação. Porém, A causa final do SIDS é desconhecidaAssim, por enquanto, é impossível impedir que ocorram mortes por esse motivo.

Colocar bebês em suas costas é uma medida de prevenção

Ficou provado que em países onde campanhas de conscientização e informação foram realizadas sobre a morte súbita infantil, medidas como colocar as crianças nas costas reduziram a incidência da síndrome para 53%.


Pelo menos, os estudos que foram realizados sobre este assunto nos permitiram estabelecer uma série de fatores relacionados à síndrome que podem nos permitir concentrar um pouco sobre como controlar esse problema. Por exemplo, sabe-se que A incidência máxima de casos ocorre de 2 a 4 meses, que os meninos são mais propensos a sofrer SIDS do que meninas, e que a síndrome é mais frequente nos meses frios.

Da mesma forma, o risco aumenta se os sintomas gastrointestinais ocorrerem na semana anterior, se há uma história de um irmão que morreu dessa causa ou se o bebê é alimentado com leite artificial. Fatores também maternos, como idade da mãeou ambiental, como fumar no ambiente ou uma temperatura ambiental muito alta, eles influenciam este problema sério.


Suporte em tempos difíceis

Às vezes, e especialmente se medidas preventivas não forem tomadas, a tragédia acontece e alguns bebês morrem devido à síndrome da morte súbita. Neste caso, é necessário recorrer ao apoio de profissionais e pessoas que já passaram por essa experiência difícil, como os membros da Associação para a Prevenção da Morte Súbita Infantil em Madri (APMSLM).

A associação, presidida por Palmira Videgas, conta com 31 membros oficiais, pertencentes a cerca de dez famílias que já passaram por este transe. Desde a sua fundação em 1999, o APMSLM promoveu a conscientização da sociedade em relação à morte súbita campanhas de informação dirigido a pais, creches, ginecologistas, enfermeiras, parteiras e assistentes sociais.

No entanto, Palmira Videgas lamenta a falta de interesse de muitos desses profissionais para com este problema. Apesar de destacar o alto grau de receptividade dos berçários, Videgas assegura que a síndrome da morte súbita é "um assunto tabu para a sociedade, parece que não se quer ouvir sobre isso".

Marisol Nuevo Espín

Vídeo: SAIBA O QUE ACONTECE SE VOCÊ COLOCAR ALHO DEBAIXO DO TRAVESSEIRO NA HORA DE DORMIR- VOCÊ VAI ADORAR


Artigos Interessantes

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

O jornal Ensino, pertencente ao grupo Siena, organiza próxima quinta-feira, 12 de novembro, a sétima edição do Protagonistas da Educação de Prêmios de Professores, pelo qual "o trabalho de todos...

Brigas entre irmãos

Brigas entre irmãos

É comum que quando as crianças atingem a idade de 4 ou 5 anos, os jogos que anteriormente compartilhavam com seus irmãos são frequentemente substituídos por brigas. As lutas são comuns em famílias...

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

É claro que ainda há um longo caminho a percorrer no campo da conciliação, porque existe uma certa lacuna cultural nas empresas. Então, o II Estudo sobre Conciliação e Amamentação realizada pela...