Por que aprendemos por imitação

O imitação É a maneira mais comum de aprender para as crianças, especialmente quando elas são pequenas. Os pais são seu modelo de referência e estão atentos a tudo o que fazemos e dizemos para fazer o mesmo. Graças à imitação, as crianças aprendem o vocabulário, descobrem como realizar rotinas do dia-a-dia e interpretam os gestos que fazemos para saber o que sentimos, emoções.

Vários anos atrás, duas equipes científicas buscando as raízes da empatia - uma parte básica da natureza humana que permite que a maioria das pessoas se importe com os outros - encontraram as regiões do cérebro que sustentam a aprendendo por imitação.


Os estudos, realizados por uma equipe da França e outra dos Estados Unidos, com a participação de neurocientistas especializados na área social cognitiva, levaram à identificação de uma rede de regiões cerebrais que sustentam a imitação humana e que permitem a uma pessoa distinguir-se dos outros.

Segundo esses cientistas, a criança não aprende a imitar. Faz parte da nossa natureza biológica, isto é, Nós nascemos para imitar. A empatia tem raízes nos primeiros anos de vida e pode estar ligada à imitação.

Como melhorar a aprendizagem imitando as crianças

Sabemos que os bebês imitam muito cedo na vida. Desde a época de Aristóteles, já tínhamos a ideia de que aprendemos por imitação e, mais tarde, as descobertas mostraram que as crianças não replicam imediatamente o que vêem, mas observam tudo com grande atenção. Então a imitação está se tornando uma boa maneira de aprender que adquire cada vez mais importância com o crescimento e desenvolvimento das crianças.


Para promover a aprendizagem imitando seus filhos, você pode implementar essas ideias:

- Preencha qualquer estímulo de amor e atenção para a criança. Os melhores planos de aprendizado são inúteis se você não tiver os dois ingredientes mais importantes para fortalecer sua segurança: amor e atenção.

- Propor ler, cantar ou conversar com cada criança todos os dias. Na chegada da escola, no lanche, na hora de dormir ...

- Sempre responda às perguntas de seus filhos. Alguns serão mais simples e outros mais complicados, mas pensem que, se o fizerem, é porque estão interessados ​​na resposta ou porque querem chamar sua atenção.

- Dê a ele oportunidades de correr, pular, dançar, pintar, cortar ... Habilidades motoras finas e grossas são importantes fontes de estímulos.

- Permita que seu filho tome algumas decisões e assuma suas conseqüências por menor que seja.


- Aproveite as situações da vida cotidiana transformá-los em uma fonte inesgotável de estimulação. Com paciência e bom humor, fazer a roupa com o pequenino pode ser o momento ideal para classificar as roupas por cores, texturas, tamanhos e até cheiros!

- Pense em um plano semanal em que a cada dia você oferece estímulos para desenvolver cada um dos seus cinco sentidos: visão, audição, tato, olfato e paladar. No sábado e domingo, eu reviso. O sentido do paladar é geralmente menos estimulado nessas idades. Se você alterar intencionalmente o cardápio com freqüência, você alcançará um duplo objetivo: estimular seus filhos através do paladar e educar sua força e vontade de aprender a comer tudo. Uma última dica: não vale a pena mascarar tudo com molho de tomate ou maionese; nós teríamos perdido os dois objetivos.

Marisol Nuevo Espín
Conselho: José Antonio Alcázar. Consultor de Educação

Vídeo: TUTORIAL para aprender a IMITAR FAMOSOS, fácil y rápido!!


Artigos Interessantes

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

O jornal Ensino, pertencente ao grupo Siena, organiza próxima quinta-feira, 12 de novembro, a sétima edição do Protagonistas da Educação de Prêmios de Professores, pelo qual "o trabalho de todos...

Brigas entre irmãos

Brigas entre irmãos

É comum que quando as crianças atingem a idade de 4 ou 5 anos, os jogos que anteriormente compartilhavam com seus irmãos são frequentemente substituídos por brigas. As lutas são comuns em famílias...

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

É claro que ainda há um longo caminho a percorrer no campo da conciliação, porque existe uma certa lacuna cultural nas empresas. Então, o II Estudo sobre Conciliação e Amamentação realizada pela...