Espanha supera a média europeia de abandono escolar precoce

Que dúvida se encaixa na importância da educação em todas as pessoas? Cumprir os diferentes cursos educacionais e superar as etapas do ensino se traduz em um futuro mais promissor. Por esta razão, uma das missões dos poderes públicos é reduzir as taxas de abandono escolar.

Uma missão que nos últimos tempos parece ter se tornado mais difícil, já que as taxas de abandono escolar eles são, infelizmente, bastante altos dentro de nossas fronteiras. Isto é indicado por trabalhos como o Relatório: Verificação do sistema educativo em Espanha e Andaluzia, onde é claro que estes dados são superiores à média europeia.


Abandono de quase 19%

Os dados apresentados neste relatório destacam que a taxa de abandono escolar precoce na Espanha em 2017 foi 18,3%. Uma figura que permanece bem à frente dos 10,6% que marca a média da ña Unoón Europea. Ou seja, 2 em cada 10 jovens entre 18 e 24 anos têm, no máximo, o título de Ensino Secundário Obrigatório, ESO, e não continuam seus estudos.

Embora a Espanha exceda a média da União Europeia, tem havido uma ligeira melhora comparando os dados de 2016 com os dados de 2017. No ano passado esse percentual foi de 19, o que representa uma queda de 0,7% pontos percentuais. Considerando o sexo dos estudantes que param de estudar no ESO, ou em etapas anteriores, as meninas apresentam uma taxa de 14,5% e os chichos de 21,8%. Mesma tendência que na Europa, onde eles têm um 8,9% e eles de 12,1%.


Por comunidades, a Andaluzia tem os piores dados. Esta comunidade registrou em 2017 uma taxa de abandono escolar precoce 23,5%, dados que excedem 10,6% em pontos percentuais a média da União Européia e em 5,2% para o resto da Espanha.

Como parar as desistências escolares

Dados os altos dados de evasão escolar na Espanha, não é surpreendente que as administrações educacionais tenham em mente diferentes planos de ação com os quais situação. Algumas dessas propostas do Ministério da Educação são as seguintes:

- Aumento da oferta de Programas Iniciais de Qualificação Profissional, de forma a garantir que nenhum aluno abandone o Ensino Médio Obrigatório sem ter tido a oportunidade de acessar nenhum deles. O objetivo é que os jovens que não se graduam no ESO e obtenham o diploma anos depois por meio de educação não formal, podem se beneficiar desses programas.


- Aumento da oferta educativa no ensino pós-obrigatório de ciclos de formação profissional de formação profissional intermédia, artes plásticas e design e educação desportiva.

- Desenvolvimento pelas administrações educacionais das medidas contempladas no artigo 41 da LOE para que os alunos que tenham concluído um Programa de Qualificação Profissional Inicial, e a falta de requisitos acadêmicos, possam acessar os Ciclos de Formação Profissional de Grau Médio, e para que os alunos nas mesmas circunstâncias do Grau Médio possam acessar o Superior.

- Desenvolvimento de medidas preventivas e programas dirigidos, expressamente, para alcançar o sucesso escolar entre os alunos que durante o período de escolaridade obrigatória apresentam dificuldades para obter o título de Ensino Secundário Obrigatório.

- Desenvolvimento de programas específicos para os grupos em que, por várias razões, são gerados grandes pacotes de abandono escolar precoce.

Damián Montero

Vídeo: Zeitgeist Moving Forward


Artigos Interessantes

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

O jornal Ensino, pertencente ao grupo Siena, organiza próxima quinta-feira, 12 de novembro, a sétima edição do Protagonistas da Educação de Prêmios de Professores, pelo qual "o trabalho de todos...

Brigas entre irmãos

Brigas entre irmãos

É comum que quando as crianças atingem a idade de 4 ou 5 anos, os jogos que anteriormente compartilhavam com seus irmãos são frequentemente substituídos por brigas. As lutas são comuns em famílias...

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

É claro que ainda há um longo caminho a percorrer no campo da conciliação, porque existe uma certa lacuna cultural nas empresas. Então, o II Estudo sobre Conciliação e Amamentação realizada pela...