14 anos, idade em que as crianças devem acessar as redes sociais, de acordo com a maioria dos pais

Evitar o acesso a novas tecnologias é impossível hoje em dia. De computadores a smartphones e tablets, a sociedade de hoje vive cercada por esses dispositivos que, à sua maneira, facilitam a vida das pessoas, permitindo o acesso a informações e comunicações intermináveis ​​com pessoas que vivem do outro lado do mundo. No entanto, o uso desses dispositivos também implica responsabilidade.

Com que idade uma pessoa é capaz de gerenciar seus próprios dispositivos? O estudo Tecnologia na infância: necessidade ou capricho interessou-se pela opinião de um total de 2.000 pessoas entre 18 e 55 anos. Uma amostra que respondeu a perguntas que cobrem desde o momento certo para dar um smartphone a crianças ou ter uma conta em redes sociais.


Importância do controle

Como já foi dito, evitar o acesso de novas gerações a novas tecnologias é impossível. Os chamados nativos digitais veem em computadores, smartphones e tablets um portal para acessar informações para o trabalho escolar, lição de casa e qualquer outra necessidade acadêmica. Uma situação que a maioria dos entrevistados conhece.

Por essa razão, 94% dos participantes deste estudo consideram que o controle do uso que as crianças fazem da internet é muito importante. Apenas 9% deles acreditam que o acesso das crianças à rede deve ser ilimitado antes 14 anos. É precisamente nesta idade em que a maioria dos pais coloca a fronteira entre ter uma conta de mídia social ou não.


64% dos pais acreditam que as crianças não devem acessar as redes sociais até a faixa etária que varia de 14 às 16. Mesmo 20% dos pais participantes acham que o ideal seria esperar até que atingissem a maioridade. No entanto, esses dados se opõem a outro encontrado no mesmo estudo. E é que 46% dos entrevistados com filhos acreditam que impedir seu acesso a smartphones pode excluí-los de sua vida social.

O que está claro é que os mais velhos, mais preocupação com os perigos da Internet. 13% dos jovens entre 18 e 24 anos Coincide com a ideia de que o acesso dos menores ao mundo online e às novas tecnologias deve ser ilimitado. Percentual que cai para 7% no caso daqueles com mais de 45 anos.

O primeiro smartphone, aos 13 anos de idade

Neste estudo, também analisamos a idade em que os mais jovens acessam seus próprios dispositivos. 13 anos é a média com a qual os pais reconhecem ter comprado para seus filhos o primeiro smartphone. É claro que, quando os entrevistados são questionados, as diferenças são verificadas quando recebem o smartphone.


Jovens entre 18 e 24 anos Eles reconhecem que receberam seu primeiro telefone celular por volta dos 14 anos de idade. Aqueles que pertencem à seção entre 25 e 34, com 16 e, finalmente, aqueles entre 35 e 44, com 22. E com que idade os respondentes consideram que um desses dispositivos deve ser acessado?

65% dos entrevistados dizem que os menores devem ter seu primeiro smartphone depois de 14, um ano depois do que realmente acontece. Na verdade, chama o atenção que 31% dos jovens de 18 a 24 anos acham que as crianças teriam que ter seu primeiro telefone entre 15 e 16 anos. Apenas um pequeno grupo do total de entrevistados (18%) disse que os 12 seriam bons momentos para as crianças terem seu primeiro terminal.

Damián Montero

Vídeo: Estudos Mostram que os Maridos Estressam Mais Suas Esposas que os Filhos


Artigos Interessantes

Criatividade no desenvolvimento de crianças

Criatividade no desenvolvimento de crianças

Alguns definem a criatividade como o resultado de um processo, outros como as características de um produto e outros como um traço característico da personalidade. As crianças começam a refletir sua...

Como os adolescentes entendem sua liberdade

Como os adolescentes entendem sua liberdade

Eles se sentem mais velhos, exigem mais liberdade, mas ainda são imaturos para usá-lo com responsabilidade. Eles clamam para que eles confiem neles, querem se libertar de certos laços e buscam ser...