As crianças começam a se preocupar com sua aparência por volta dos 2 anos

Estamos todos conscientes de que, quando pisamos na rua, muitos olhares focam nossa aparência e atitude. Conhecidos e estranhos fazem vários julgamentos sobre como nos vestimos, o penteado que escolhemos ou o comportamento que mostramos. A partir desta informação, eles elaboram uma ideia sobre a nossa pessoa, uma visão que todo mundo gosta de cuidar.

Mas isso estende preocupação crianças? Os mais jovens da casa pensam sobre sua própria reputação e imagem, ou suas mentes estão focadas em outros aspectos? A resposta é sim, até mesmo as crianças tendem a cuidar da visão que os outros têm sobre si mesmas, a fim de obter a avaliação mais positiva possível das pessoas que as rodeiam.


Preocupação com dois anos

Esses conclusões foram alcançados a partir do estudo elaborado pela Emory University, onde um total de 144 crianças 14 e 24 meses. Todas essas crianças foram submetidas a um total de quatro experimentos. O primeiro teste consistia em manipular os botões de um controle remoto para manipular um robô, os pesquisadores tinham que continuar observando as crianças ou fingir que liam uma revista.

Quando observaram as crianças, mostraram mais relutância em manipular os botões do controle remoto. Por ele contrárioquando os pesquisadores desviam o olhar, eles se sentem menos envergonhados de operar com esse dispositivo. No segundo teste, dois dispositivos foram concedidos, um qualificado como "positivo" e outro como "negativo" e, portanto, com uma reputação de proibido.


Os resultados deste segundo experimento mostraram que quando as crianças foram observadas, pressionaram mais os botões do controle remoto "positivo", enquanto que os responsáveis ​​pelo estudo eles pareciam, os menores tenderam a manipular o "negativo". Ou seja, os menores procuravam mostrar uma atitude correta diante de seus observadores.

Um sinal de que as crianças, nessas idades, estão atentas ao ambiente e procuram provar ao resto que são bons. Isto é, eles se importam com sua reputação. No terceiro experimento, dois controles remotos foram oferecidos, mas desta vez os aparelhos não foram qualificados de forma alguma, fazendo com que os pequenos não tivessem nenhuma carga de consciência por ele.

No último experimento, dois investigadores sentaram-se frente a frente enquanto observavam a criança ou lhe davam as costas enquanto pressionavam o controle remoto. Quando a resposta dos adultos foi positiva, o mais pequenos Eles tinham menos medo de manipular esse dispositivo.


Auto-estima em crianças

Como tem sido comprovado nesta pesquisa, a auto-estima é uma das preocupações das crianças, mesmo em seus estágios mais cedo. Reforçar esse sentimento nos pequenos proporcionará uma grande segurança para o seu dia a dia e proporcionará grande segurança quando se trata de atingir seus objetivos. Da Associação Espanhola de Pediatria, AEP, as seguintes dicas são oferecidas para este fim:

- Aceite a criança como ele é, com suas qualidades e defeitos, saiba o que faz bem, tenha em mãos uma lista de suas qualidades e não hesite em lembrá-las, também na presença de outras pessoas.

- Oferecer à criança pensamentos positivos, seja em palavras, com gestos ou emoções.

- Dedicar tempo à criança, somente para ele, atenção exclusiva, sem dar aulas ou corrigir suas ações, falando com ele de forma positiva, para que só ele ouça.

- Reconheça seu esforço, mesmo que ele não o faça ou rejeite.

- Reconheça também seus gostos e interesses.

- Reconhecer sua capacidade de pensar e propor soluções para os problemas, tentando não intervir no raciocínio e evitando resolver seus próprios problemas, ou seja, evitando a superproteção.

- Conte com ele para tarefas diárias, com a intenção de que o convite seja outra oportunidade para o sucesso.

- A comparação com os outros que tornam as coisas melhores ou o sarcasmo ou a brincadeira livre não ajuda mais do que reduzir a auto-estima.

- Não deixe de ser realista, há atos que são para parabenizar e outros para corrigir.

- Ensine e eduque as crianças no respeito pelos outros, incentive a cooperação e a colaboração mais do que a competição.

Damián Montero

Vídeo: O COCÔ DA CRIANÇA - Dr. Marcello Pedreira


Artigos Interessantes

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

O jornal Ensino, pertencente ao grupo Siena, organiza próxima quinta-feira, 12 de novembro, a sétima edição do Protagonistas da Educação de Prêmios de Professores, pelo qual "o trabalho de todos...

Brigas entre irmãos

Brigas entre irmãos

É comum que quando as crianças atingem a idade de 4 ou 5 anos, os jogos que anteriormente compartilhavam com seus irmãos são frequentemente substituídos por brigas. As lutas são comuns em famílias...

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

É claro que ainda há um longo caminho a percorrer no campo da conciliação, porque existe uma certa lacuna cultural nas empresas. Então, o II Estudo sobre Conciliação e Amamentação realizada pela...