Aprendendo a flutuar: quando e como meu bebê pode começar

O contato com a água traz muitos benefícios para o bebê uma vez que melhora suas capacidades cardiorrespiratórias, beneficia sua coordenação muscular e desenvolve suas capacidades sensoriais e psicomotoras. A partir do quinto ou sexto mês, você pode dar seu primeiro mergulho na piscina.

Em que mês posso levar meu bebê a uma escola de natação para aprender a nadar ou ao menos flutuar para evitar acidentes infelizes? Essa é uma das perguntas mais freqüentes que os pais se fazem quando chega o verão. Eles também se perguntam que mês eles podem colocar na piscina sem serem afetados pelo cloro, por exemplo. A primeira coisa que você precisa saber é que a partir do quinto mês, o bebê encontra na água a possibilidade de se mover trimidensionalmente, sendo muito maior a liberdade e a continuidade dos movimentos.


É aconselhável que a partir do momento em que você nasce, comece a trabalhar com ele uma série de exercícios na banheira. Normalmente o bebê adora água, pois durante a gestação permaneceu no líquido amniótico e, por assim dizer, a água constituiu seu hábito natural.

É importante notar que a prática da atividade aquática fortalece o coração e os pulmões de seu filho, devido ao trabalho respiratório realizado na água, que aumenta a eficiência da oxigenação e a transferência de sangue. Da mesma forma, essa prática melhora e fortalece a relação afetiva e cognitiva entre a criança e seus pais.

O começo na natação do seu bebê

Recomenda-se que você espere até cinco ou seis meses de vida para levar o seu filho à piscina, pois nessa idade ele terá desenvolvido mais seu sistema imunológico e lembre-se sempre que até um ano e meio atrás ele não adquirirá autonomia na água. O medo da água é adquirido à medida que a criança cresce, mas se o seu bebê não teve nenhuma experiência negativa com a água enquanto você toma banho, em princípio não há nenhum problema para você iniciar sua atividade aquática de forma satisfatória. você decidiu que aprende a flutuar em uma escola de regulamentação, é altamente recomendável começar com ele na piscina no início.


Primeiro de tudo, você terá que dar ao seu bebê, através de contato intenso com o corpo, uma sensação de segurança. Suas mãos devem transmitir confiança porque, no início, você pode mostrar algum desconforto para a nova situação, mas você imediatamente se sentirá à vontade e começará a chutar.

Requisitos da piscina: especial para bebês

É altamente recomendável que a piscina seja coberta e aquecida, pois a temperatura da água é mais consistente com a sua e, claro, cumpra todos os requisitos sanitários e higiênicos estabelecidos, tente segurar o bebê nos braços e leve-o até o peito e fale com ele. O técnico ou monitor - qualificado especificamente para trabalhar com crianças - explicará todos os passos que você deve dar em detalhes, mas lembre-se que o verdadeiro professor será você, já que o monitor lhe dará diretrizes e recomendações para ação.


Importa mais do que a experiência do seu filho na água é agradável, divirta-se para obter a flutuação, que virá um tempo depois por conta própria. Você não deve ficar obcecado porque seu filho aprende técnicas de sobrevivência para não se afogar. Você deve sempre ficar ao lado dele e controlá-lo, já que o principal é que ele começa a sentir prazer na água e, assim, aprenderá a nadar.

Se por medo ou por qualquer outra razão você tentar pressionar seu filho para atingir metas de curto prazo, os efeitos que você obter provavelmente serão o oposto do que você está procurando. Além disso, nessas idades, as crianças percebem tudo o que as rodeia de uma maneira muito intensa.Tenha em mente que, se sua experiência foi muito traumática na água, isso deixa sequelas para o resto de sua vida.

Técnicas de aprendizado para bebês flutuarem na água

Os exercícios suaves combinados com a água a uma temperatura confortável relaxam o bebê, ao mesmo tempo que estimulam o apetite e os fazem comer e dormir melhor. Desta forma, você irá melhorar seu caráter e comportamento. As aulas de natação geralmente duram meia hora porque podem cansar mais o bebê. O que se trabalha principalmente é o campo das habilidades psicomotoras para que o garotinho se adapte à água e comece a enxergá-la como algo mais natural.

Para atingir esse objetivo, a criança realizará uma série de exercícios sempre com você, como encostar as pernas na parede da piscina e fazer flexões; com a mão sob as costas e o filho nas costas, fortalecerá seu senso de equilíbrio e executará outros exercícios que o chão jamais conseguiria exercitar. Usando uma série de materiais auxiliares, como um cinto de borracha que faz você flutuar e permite executar movimentos com braços e pernas, você ajudará a fortalecer e tonificar os músculos.

Desenvolvimento psicológico e social

Seu bebê vai se sentir mais seguro e vai gostar de aprender a nadar muito, a perceber que você está perto e que toda a sua atenção está focada nele. Isso, por sua vez, aumentará seu senso de independência e autoconfiança, porque mesmo que você não ande ainda, você pode se mover na água sozinho.

Por outro lado, a convivência na piscina com outras crianças ajudará você a se relacionar melhor, além de aprender a compartilhar e realizar atividades com outras pessoas, já que a criança adquire mais confiança para se comunicar e se desenvolver em grupo, pois estará em permanente contato com instrutores e outros bebês.

Na água com seu bebê: dicas práticas

- Nunca deixe seu bebê sozinho perto da água. Embora os programas de natação lhe ensinem a se mover, você deve sempre permanecer ao seu lado para evitar qualquer susto.

- Não estabeleça um certo período de tempo para alcançar os objetivos, uma vez que cada criança tem seu próprio ritmo, então tente respeitar o ritmo de seu filho e nunca o force a fazer algo que ele não quer. Não o compare com outros bebês, pois isso pode prejudicar seu desenvolvimento.

- Evitar sempre piscinas de duvidoso controle higiênico e sanitário porque eles podem ser o foco de infecções graves.

- Se seu filho é ruim, você não deve tomar banho sob nenhuma circunstância e não o leve de volta à piscina até que esteja totalmente recuperado.

- Em piscinas ao ar livre, lembre-se de que você deve protegê-las com protetor solar alto fator e não exponha mais de uma hora e meia ao sol e à água em períodos não superiores a meia hora.

Lembre-se sempre de que é muito importante que você transmita confiança e segurança para seu bebê através do contato corporal. Sempre tente fazer com que o tempo da piscina seja divertido com jogos divertidos para torná-lo uma experiência recompensadora e não o force a fazer coisas que ele não quer fazer.

Marisol Nuevo Espín
Conselho: D. Jesús Abiol. Diretor da BabyGim Chamartín (Madri). Especialista de centro em atividade aquática de bebês

Vídeo: Como dar banho no bebê | Manual do Recém-Nascido


Artigos Interessantes

Dicas para escolher o nome do bebê

Dicas para escolher o nome do bebê

Você está esperando por um bebê e ainda não sabe qual nome colocar? Escolher o nome de nossos filhos nem sempre é uma tarefa simples. Existem inúmeros guias na Internet que podem nos inspirar, mas o...

Trauma: o que pode causar um trauma e por quê?

Trauma: o que pode causar um trauma e por quê?

Todos, em maior ou menor medida, mais ou menos conscientemente, vivemos situações que deixaram sua marca em nós. O problema aparece quando esse traço nos impede de levar uma vida normal, nos causa...

A venda de livros infantis ressurge

A venda de livros infantis ressurge

O que você dá a ele? Entre as propostas de presentes para nossos filhos, os melhores são sempre educativos e, dentro deles, os livros. Um pensamento que cada vez mais se estende entre os pais, pelo...