Estratégias para avançar quando você é vítima de bullying

O Intimidação ou intimidação É um problema de grave incidência hoje, um fenômeno que diz respeito à comunidade educativa, famílias, poder público e sociedade em geral. Por esta razão, diferentes programas de prevenção são desenvolvidos em centros educacionais, principalmente voltados para a resolução de conflitos e o desenvolvimento da inteligência emocional, entre outros; patrocinado por diferentes organizações e autoridades públicas.

Estes programas demonstraram a sua eficácia nos centros onde a sua implementação foi realizada, uma vez que numerosos estudos provaram que o trabalho desde cedo contribui de forma redução das taxas de violência e um aumento significativo na coexistência entre crianças em idade escolar. É nessas épocas o momento ideal para transmitir modelos adequados de comportamento e controle de emoções, o que os ajudará grandemente no desenvolvimento de seu estágio evolutivo, tanto intelectual como comportamentalmente.


Por outro lado, as intervenções são mais difíceis nas idades dos estágios secundários, uma vez que o processo de autodescoberta e definição do espaço nos próprios adolescentes dificulta as intervenções e a resolução dos conflitos que as afetam.

Contra o bullying, aprendendo bons comportamentos

Efetivamente, atuar de forma rigorosa e sistemática nos ciclos de educação primária facilita o desenvolvimento de menores e aprendendo bons comportamentos, que se reflete em uma autêntica cultura de paz instalada nos centros.

Esses métodos têm resultados bem sucedidos, especialmente quando se trabalha com crianças pequenas, valores como empatia e respeito pelos outros, internalizando-os de forma tão surpreendente que acabam por usá-los naturalmente em seus jogos e relacionamentos com os colegas.


Ao internalizar esses valores tão fortemente, eles dificilmente ignorarão uma situação de injustiça, muito menos maus-tratos ou assédio em relação a um igual, já que eles se oporão diretamente e defenderão a vítima; reduzindo assim as taxas de bullying e drasticamente e mais especificamente o fenômeno de observadores ou testemunhas passivas de bullying.

No entanto, os métodos atuais baseiam-se principalmente na esfera da prevenção, com uma clara intenção de evitar conflitos no futuro.

Algo mais do que a prevenção contra o bullying é necessário

No entanto, os modelos de intervenção, em casos de sinais, suspeitas ou evidência evidente de um caso de bullying, são reduzidos e circunscritos apenas ao que é previsto na literatura. protocolos educacionais contra o bullying; protocolos que geram muitas dúvidas em sua aplicação e se são realmente considerados uma resposta efetiva como instrumentos e ferramentas de proteção e ação contra o bullying.


Nesse sentido, não podemos esquecer que todas as manifestações de bullying, seja por agressão física, intimidação, manipulação psicológica, insultos e ofensas de todo tipo, iniciam-se durante as primeiras aproximações feitas pelo agressor em direção a "sua potencial vítima", tornando-se subseqüentemente em situações de assédio contínuo de forma contínua e ao longo do tempo.

Essas abordagens têm um objetivo muito claro, obter algo em troca da vítima menor, que reage, na maioria das coisas, com um olhar fugaz, inclinando a cabeça ou tardiamente com uma alta carga de agressividade ou impulsividade; tudo isso denota nervosismo, bloqueio ou paralisia e uma conclusão muito clara: a vítima tornou-se emocionalmente desequilibrada e o agressor alcançou o que estava procurando.

A partir desse momento, é apenas uma questão de tempo até que os ataques se intensifiquem e se intensifiquem, dada a falta de resposta e inação da vítima.

Recursos da vítima contra o bullying

Portanto, parece necessário e fundamental fornecer à vítima menor recursos, ferramentas ou ferramentas de enfrentamento nessas situações de assédio ou bullying, especialmente nos momentos iniciais do processo de bullying, em que o bully começa com pequenas dicas e sugestões. comentários insultuosos

Use certos recursos como ironia, humor positivo, sarcasmo, efeito surpresa e criatividade demonstra um controle da situação, combinado com a linguagem gestual, corpo ... lançando uma mensagem óbvia: a criança responde de forma gentil, objetiva, calma e desalojando o agressor.

Em qualquer caso, tais técnicas ou estratégias só serão plenamente eficazes e coerentes, levando em conta a personalidade do menor afetado, já que da mesma forma que nenhuma pessoa é igual a outra, nenhuma é menor; então você tem que adaptar as diferentes ferramentas para cada caso específico e particular; e, o que é mais importante, esse trabalho deve ser abrangente e multidisciplinar, incorporando os referentes da criança; isto é, sua família, amigos íntimos e a esfera mais próxima. Só assim a criança não se sentirá sozinha e com maiores garantias para enfrentar o problema com sucesso.

Pelo contrário, se os ataques são realizados excessivamente no tempo, é aconselhável transferir a criança para outro centro educacional, já que a situação de violência se arraigou e o importante nesse momento é recuperar a criança e sua auto-estima.

Ricardo Lombardero Calzón. Advogado, mediador e coach.Cofundador do Cyberbullying Lomber Soluciones

Vídeo: Vídeo faz você sentir na pele o preconceito contra LGBT


Artigos Interessantes

AEP publica seu guia prático para pais on-line

AEP publica seu guia prático para pais on-line

A Associação Espanhola de Pediatria AEP coloca nas mãos de todas as famílias um Guia prático para pais, desenvolvido em colaboração com Dodot, que pretende ser um livro completo de consulta das...