8 de março: a mulher feliz é quem escolhe o que é bem sucedido

Temos um problema. É evidente. Porque se houver um dia para a mulher trabalhadora, se a celebrarmos, se enchermos a mídia com conteúdo relacionado a isso, se a hashtag #DiaInternacionalDeLaMujer permanece uma semana ancorada nas redes sociais, é porque temos muito a falar sobre conciliação e muito mais a fazer. De que não há dúvida.

O ruim é que, como em tantas batalhas da opinião pública, é muito fácil acabar misturando churrasco com merinas, errar o tiro e acabar atirando no pé enquanto a presa gorda escapa diante dos nossos narizes. Talvez seja por isso que esse assunto me deixa tão cansado. Acabam deixando as vozes usuais: que se o heteropatriarcado, que se a educação tradicional, que se a mulher submetida ...


O discurso parece terrivelmente desatualizado para mim. Sou professora universitária e muitos, muitos anos atrás - pelo menos uma geração completa - que se uma mulher gosta mesmo de estudar a engenharia mais complicada, anteriormente vetada por nós, ela pode fazê-lo. E também o fará com uma bolsa de estudos para excelência acadêmica, um mestrado no MIT e um trabalho assegurado onde o futuro mais surpreendente está. Temos mulheres nos mais altos cargos em política e negócios, pesquisa e literatura. E sim, é verdade que eles não são muito "meio", mas temos que nos perguntar se a causa está escondida na resposta ideológica do "machismo".

Claro que há uma lacuna. Os estudos nos dizem. Os mais rigorosos, que contam o salário por horas, calculam em 14 por cento a diferença. E os dados atestam que as mulheres continuam a dedicar mais tempo ao trabalho não remunerado em casa. São eles que, em maioria, solicitam medidas de conciliação como a redução do horário de trabalho, são os que procuram os horários mais flexíveis e não aceitam complementos por disponibilidade absoluta, são os que preferem cargos que não obrigam a viajar. Total: a diferença entre homens e mulheres tem muito a ver com a maternidade.


Dado tal dilema, existem soluções para a equação para todos os gostos. A maioria, fortemente ideologizada por correntes mais típicas do século XX. Mas quase nenhum leva em consideração a base do problema com uma aparência verdadeiramente prática. É por isso que gosto de Nuria Chinchilla, professora do IESE, que é mulher, mãe, esposa, trabalhadora e, acima de tudo, feliz e boa pessoa. É impossível resumir seu discurso poderoso nessas linhas, mas prefiro duas idéias:


A primeira é que tudo seria mais fácil se conseguirmos cronogramas mais razoáveis ​​(para homens e mulheres, pais ou não), que sejam cumpridos e que finalmente expulsem de nosso mercado o "presentismo" improdutivo tão característico de nossa cultura.


É claro que esta questão não pode ser simplificada e cada cargo terá de ser avaliado. Não é o mesmo para gerenciar os turnos da coleta de lixo como uma tarefa de escritório. Mas muitos países ao nosso redor alcançam altos níveis de reconciliação simplesmente porque têm um cronograma melhor.


O segundo tem a ver com o que as mulheres querem, quais são seus sonhos e ambições. A tese defendida por Chinchilla é que precisamos de uma abordagem mais plural do conceito de ambição, de realização. Hoje é medido por critérios economicistas eminentemente masculinos. O sucesso é entendido apenas como triunfo profissional acompanhado de um alto salário. Mas e se o sucesso da mulher fosse que, sendo capaz de escolher, ela escolhe um trabalho que a satisfaça e que lhe permita cuidar de si mesma? E se o seu triunfo é saber descartar o que prejudica suas verdadeiras ambições? E se estamos perdendo a presa porque para ganhar esta batalha em busca de uma suposta "liberdade de trabalho" perdemos outra muito mais importante, a da "liberdade familiar"?

O dia da mulher trabalhadora Não fará mais sentido quando o trabalho de qualquer pessoa, homem ou mulher, com ou sem filhos, for realmente compatível com a vida.

Vídeo: CLAUDIO DUARTE - O SEGREDO DOS VENCEDORES


Artigos Interessantes

4 benefícios de dormir fora de casa

4 benefícios de dormir fora de casa

As crianças, com 8 ou 9 anos de idade, começam a ser mais independentes e têm mais confiança com seus amigos. Nesta idade, dormir na casa de um amigo tem grande apelo. Tudo o que significa sair do...

Jogos de interpretação de papéis, inofensivos?

Jogos de interpretação de papéis, inofensivos?

O eminente psicólogo Bruner, nos transmitiu a importância do jogo para a evolução da imaginação e como veículo para ensinar as regras que governam a comunidade.É uma atividade recreativa essencial no...

Frutos de outono: uma primavera para o paladar

Frutos de outono: uma primavera para o paladar

A chegada do outono é uma ótima oportunidade para colocar em prática um excelente hábito: incorporar em nossa dieta os frutos que a natureza nos oferece. Não raro me referi ao fato de que a melhor...

Educar com calma: o segredo do equilíbrio emocional

Educar com calma: o segredo do equilíbrio emocional

Educar é uma tarefa que requer tempo, mas o importante é alcançar o objetivo final: educar bem as crianças, e isso não é alcançado em dois dias. As crianças devem nos ver calmas, sem dar lugar à...