Truques para despertar a motivação na aprendizagem das crianças

Quando encorajamos nossos filhos a imaginar como será quando aprenderem ou fizerem algo, estaremos lembrando a eles o quanto vão gostar quando derem o passo. Tenha em mente seus ritmos, seu temperamento e a demanda que isso implica para ele ou ela realizar essa tarefa. Lembre-se de que cada um de nós tem um jeito diferente de ser e sentir.

Mas como unir motivação e aprendizado infantil? Pense no seu caso, nos momentos em que você se convenceu de que, se fizer alguma coisa, você se sentirá mais calmo, mais alegre, mais seguro, mais inteligente, etc. Um sentimento que supera o atual. E essa decisão é tomada de uma maneira muito pessoal ... mesmo que a origem venha de uma indicação de que outra pessoa faz você fazer alguma coisa.


Quando inconscientemente fazemos uma visualização do que melhoraria nosso humor por fazer algo, e nos imaginamos tomando o sorvete de que gostamos tanto depois de ter feito o esforço para levantar do sofá, com o quão felizes fomos para ir ao cozinhar para ele, temos que provar o sorvete. E essas sensações associadas ao sentido do paladar que tanto desejamos são aquelas que nos levam a levantar do sofá. Estamos ativando processos neurais para iniciar uma ação. E tem um senso de interesse pessoal: uma motivação.

Reconhecer e valorizar as habilidades das crianças

Todos temos uma ou várias capacidades que nos definem como seres únicos e diversificada. Cada criança adquire uma personalidade de acordo com seu temperamento e as experiências que experimenta por meio dos resultados que obtém deles, e com isso ele é cercado por qualidades inatas que lhe permitem desenvolver suas habilidades com maior ou menor facilidade.


Temos apenas que observar de maneira consciente e objetiva como as crianças diferentes agem na mesma situação. Por exemplo, nossos próprios filhos, cada um deles tem algumas habilidades. Talvez um deles seja mais habilidoso em seu relacionamento com os outros. Ele é o único que vem te dar um beijo, te dizer como ele está na escola e talvez mais tarde ele lhe peça para comprar-lhe o brinquedo que ele ama tanto. E o irmão que é mais impaciente para pegar o brinquedo e entra em ação pedindo sem maiores detalhes.

Dependendo de como você julga, podemos pensar que o primeiro é mais detalhado ... ou que lhe dá mais voltas para enganar você e conseguir o que quer. E que o segundo é mais supérfluo nas relações sociais e seu único interesse é alcançar seu desejo, ou que sua comunicação é direta e não precisa "preparar o terreno" para nos pedir alguma coisa.

Antes de uma tentativa ou outra, o que estamos usando é o nosso modo subjetivo de colocar opinião e julgamento sobre o comportamento deles, de acordo com nosso próprio jeito de ser e nossas preferências sobre como gostamos de ser tratados. Como eles. Eles estão simplesmente nos mostrando como está sua maneira de se relacionar com o mundo, já que o modo de processar informações é diferente.


E por causa dessas diferenças, pode nos custar mais ou menos para educá-los, porque nossas mensagens devem ser diferentes para cada uma delas.

Como fazer para conhecer suas qualidades mais potenciais?

É inútil fazer julgamentos com rótulos, porque os classificaremos em uma qualidade que não é real e limitante. Se os rotularmos de acordo com um rótulo desagradável de "você é um ou um ...", eles crescerão pensando que são assim e que não há nada que possam fazer para evitar ser um. Isso impedirá que eles vejam todas as qualidades que possuem. E eles são infinitos e todos muito válidos!
Você só precisa saber como usar a melhor qualidade para cada ocasião.

Para isso proponho 3 dicas simples:

1. observação consciente Observe cada um dos seus filhos separadamente e em atividades diferentes: o que ele joga, no que mostra maior interesse e habilidade com seus jogos; como ele joga, com tranquilidade ou com mais ação; se você gosta de fazer sozinho ou procurando companhia; sua linguagem mais focada em questões ou afirmações, mais formais ou mais casuais ou brincalhões; se fala sobre as coisas dos outros e o que está acontecendo ao seu redor, ou sobre seus próprios pensamentos e opiniões (você saberá se você tem uma facilidade para prestar atenção ao ambiente ou ao seu interior)

2. Faça-lhe perguntas. Ajude-o a desenvolver seu pensamento crítico, tomar decisões, colocá-lo em uma situação sobre "o que aconteceria se ...?" nem sempre lhe dá as respostas que às vezes não internalizam sobre consequências ou novos aprendizados. Você também o ajudará a aumentar sua criatividade sendo mais flexível em situações desconhecidas.

3. Ouça sem esperar por uma resposta concreta. As perguntas servirão a você e muito para conhecê-lo melhor. Permita que ele se expresse com suas próprias opiniões, sem esperar pela "resposta" que você acha que ele deveria dar. Desta forma, você saberá como guiá-lo melhor quando precisar.

E agora eu tenho certeza que você pode se surpreender com a informação que você tem.Pode haver coisas que você ignorou, ou que você acreditaria que seriam diferentes antes de tentar este exercício.

E é a coisa mais normal que pode acontecer. Com os ritmos do dia a dia tentamos ir rápido para alcançar todas as responsabilidades que nos ocupam, e às vezes queremos controlar tudo para ser mais efetivo. Sentimos falta de detalhes, como nos permitir entender melhor os interesses e as qualidades potenciais de nossos próprios filhos e alunos (na sala de aula também é bom dedicar importância à observação consciente para conhecer os alunos) e conectar de uma maneira mais pessoal e motivadora com eles.

Conecte-se para educar

Se queremos que nossos filhos se sintam seguros e tentem lidar com novas situações, devemos adaptar a mensagem ao que sua motivação pode representar.

Isso pode ser de dois tipos: motivação interna e motivação externa.

Motivação interna nascido de ser, vem da própria criança. Move-te, te excita, dá-te um sentido único. Pode ser a paixão e a entrega com a qual é desenhada, por exemplo.

A motivação externa vem do exterior. É a motivação para conseguir algo ligado ao interesse pessoal, como fazer uma tarefa para obter um prêmio, por exemplo.

Com ambos os tipos de motivação, você pode fazer as coisas, mas é claro que é com a motivação interna que a nossa memória é realmente ativada e a aprendizagem é fixa.Podemos unir uma motivação interna com a importância de aprender ou fazer algo em casa.

Raquel de Diego. Coach especialista em coaching para famílias e funcionários. Conciliafam

Vídeo: Como ajudar o aluno a ter motivação para estudar e prestar atenção nas atividades


Artigos Interessantes

Dores causadas por novas tecnologias

Dores causadas por novas tecnologias

O estilo de vida atual, associado ao uso de novas tecnologias, aumentou o número de dores associadas com o uso do smartphone, o teclado do computador, o uso do controle remoto ... Alguns deles são...

5 praias das Astúrias ideais para famílias

5 praias das Astúrias ideais para famílias

Ao escolher uma praia para passar umas agradáveis ​​férias em família, os fatores a serem levados em conta ao tomar uma decisão não são os mesmos se estivermos acompanhados por crianças. Neste caso,...

É assim que os jovens mudaram nas últimas décadas

É assim que os jovens mudaram nas últimas décadas

Os tempos mudam e com eles os membros da sociedade. A maioria dos pais vai ver isso nos filhos e como eles parecem ser muito diferentes do que eram. Mas, até que ponto hoje difere dos anos passados?...