5 chaves para se relacionar mais e melhor com nossos filhos

A comunicação humana tem sua primeira base na família. Isto tem uma função eminentemente protetora e socializadora. Através da família, a criança estabelecerá ligações com o mundo exterior. As relações afetivas precoces, que terão como primeiro quadro a família, proporcionarão a preparação para o entendimento e participação de crianças nas relações familiares e depois extrafamily. Da mesma forma, eles ajudarão a desenvolver autoconfiança, autoeficácia e valor.

Outro fator que desempenhará um papel muito importante, e que também se desenvolve dentro da família, no desenvolvimento da comunicação do indivíduo com o mundo e com os outros (habilidades sociais), no desenvolvimento de sua inteligência emocional e O desenvolvimento da sua aprendizagem cognitiva é o desenvolvimento do vínculo de apego. Ainsworth (1983) define-o como "aqueles comportamentos que favorecem em primeiro lugar a proximidade com uma determinada pessoa, é mútua e recíproca".


Tipos de apego dentro da família

Segundo este autor, os tipos de anexo são os seguintes:

- Fixação segura No interpessoal, aqueles que têm um apego seguro são pessoas mais quentes, estáveis ​​e com relacionamentos satisfatórios. No intrapessoal, eles são mais positivos, integrados e com perspectivas coerentes de si mesmos. Eles mostram alta acessibilidade a esquemas positivos e memórias, o que os leva a ter expectativas positivas sobre os relacionamentos com os outros, a confiar mais e a tornarem-se mais íntimos com eles (Feeney, B. e Kirkpatrick, L. 1996, citado por Gayó , 1999).

- Ansioso-evitante anexo. As pessoas com este tipo de apego mostram menos acessibilidade às memórias positivas e maior acessibilidade aos padrões negativos, o que os leva a permanecer desconfiados dos outros.


- Ansioso-ambivalente apego. Essas pessoas são definidas por um forte desejo de intimidade, juntamente com uma insegurança sobre os outros, porque eles querem ter interação e intimidade e têm um medo intenso de que ela seja perdida. Além disso, apesar de quererem acessar novas informações, seus intensos conflitos os levam a se afastar (Gayó, 1999).

Assim, diremos que o desenvolvimento da socialização, compreensão e participação nas relações com os outros e o vínculo de apego são facilitados e serão influenciados pela linguagem verbal (tanto externa, que o sujeito ouve e produz, e interno , o pensamento de que o sujeito se configura através, em parte, da linguagem e da experiência) e da linguagem não verbal (gestos, olhares e outras pistas não-verbais).

Como melhorar a comunicação na família

Para criar aquele clima de comunicação na família que garanta um vínculo adequado entre pais e filhos, alguns pontos podem ser colocados em prática que melhorarão a comunicação desde a mais tenra infância, de modo que, dessa forma, ela se consolidará nos estágios posteriores.


1. Criar COMPLICIDADE E CONFIANÇA. Pesquise todas as situações em que podemos compartilhar gostos, hobbies, entretenimento, esportes, etc. com nosso filho. A princípio, estaremos mais inclinados a compartilhar com ele o que ele mais gosta, suas preferências. Mais tarde, faremos com que nosso filho também compartilhe nossas preferências, não o envolveremos nas coisas de que gostamos mais abruptamente, mas pouco a pouco.

2. Clima de DIÁLOGO Faça a criança nos contar coisas da escola, amigos, atividades * Se ele não quer contar a princípio, o que faremos é nos contar histórias que nos aconteceram quando éramos como ele ou também podemos dizer como nosso dia esteve no trabalho ou naquelas coisas que temos feito. Alguns elementos necessários para o diálogo ser útil podem ser estes:

a. Mantenha uma escuta ativa do que a criança está contando (faça-lhe alguma pergunta, alguma afirmação, repita uma frase que ele disse * para que ele possa ver que estamos ouvindo a ele mesmo que estejamos fazendo algo naquele momento).
b. Seja positivo: tire o lado positivo que todo evento pode ter.
c. Correcções que pode surgir durante toda a conversa: se a criança tem que ser corrigida para alguma coisa, isso está sempre sozinho e de uma maneira precisa e positiva (o que aconteceu, como você a resolveu ou vai resolver, que conseqüências ela tem)?
d. Mostre a parte emocional, se necessário: como eu me senti, como você se sentiu
e. Mensagens claras e não contraditórias: É importante que as mensagens que podemos transmitir ao nosso filho durante toda a conversa sejam claras e não contraditórias, isto é, que ele saiba qual é a nossa posição antes de um evento ou o que pensamos sobre uma questão ou qual é a nossa critério no momento de marcar certas diretrizes de comportamento para que obedeça e que, hoje, não seja sim e amanhã não.

3. O QUE FAZEMOS PARA ENSINAR ALGO NOVO. Às vezes, as crianças não querem enfrentar novas aprendizagens ou novas experiências por medo de falhar ou de não parecer bem diante dos outros. Devemos ter paciência e criar na criança essa cumplicidade e confiança em compartilhar jogos, diversão, aprendizado, etc. Então nós devemos fazê-lo ciente de que todos estão errados às vezes (dê a ele nossos exemplos ou outras pessoas que ele conhece) e explique que nada acontece, o que ele tem que fazer é correto, peça perdão se necessário e continue tentando até para obtê-lo, não desista.

Se o que queremos ensinar é uma prioridade e a criança não demonstra interesse e não quer aprender, então vamos ensiná-la a ele ou não, porque sabemos que é um benefício para ele, mesmo que ele não o entenda neste momento.

4. Se vemos que a criança está mentindo. Aqui as razões pelas quais a criança mente quando diz que algumas coisas podem ser diversas: ele tem medo de ser intimidado, tem medo do que pode acontecer se ele disser a verdade (na escola, no grupo de amigos), ou simplesmente quer chamar a atenção. Se a causa é uma das duas primeiras, insistimos na criação dessa confiança e cumplicidade com nosso filho; Quando crescemos, devemos ser bons observadores e, por um lado, devemos conhecer o mundo no qual nosso filho se mexe (colegas de escola, pais de seus colegas, professores ...) e, por outro lado, ver como ele está indo no dia a dia ( se você está feliz, se está triste ou irritado).

Se a causa das mentiras é uma chamada de despertar, você tem que mostrar a eles que isso não está correto, mas talvez a princípio não de maneira direta ("mentiu"), mas colocando "sua história" na boca de outros personagens e fazendo-os para ele refletir sobre o que lhe dissemos. Mostrar muito interesse em outras coisas que você nos diz e o que podemos fazer com isso, para que você se sinta apreciado, querido, querido * e não preste qualquer atenção às mentiras que você pode ter nos dito querendo chamar nossa atenção.

5. Que tipo de COMUNICAÇÃO eu tenho com meus filhos? Comunicação é o processo pelo qual os interlocutores trocam informações e idéias, necessidades e desejos. Esta é uma maneira de definir comunicação, mas ao falar com nossos filhos a comunicação que mantemos com eles deve incluir, além disso: entonação, ênfase, velocidade ou não de fala e também pausas ou hesitações que se sobrepõem ao discurso indicando quais É a atitude ou emoção que queremos expressar naquele momento para o nosso filho.

Além disso, gestos, postura corporal, expressão facial, contato visual, movimentos da cabeça e do corpo e distância física são elementos essenciais para manter uma comunicação boa e fluida. Vamos pensar se incluirmos corretamente esses elementos na comunicação ou, talvez, em nossas muitas ocupações, cansaço, estresse *, faça com que nossa comunicação perca esses elementos ou seja distorcida, criando um clima de frieza e indiferença no relacionamento com nossos filhos.

Eva Mª Aguirre. Detecção e intervenção fonoaudiológica em dificuldades

Vídeo: Meu filho é gay, e daí?


Artigos Interessantes

Que tipo de personalidade nossos filhos têm

Que tipo de personalidade nossos filhos têm

Cada pessoa é como um floco de neve, não há dois exatamente o mesmo. Isso se reflete em um estudo da Universidade Carlos III de Madri que encontrou quatro tipos básicos de personalidade em que eles...