A ordem de nascimento poderia explicar as diferentes personalidades entre irmãos

Uma família é heterogênea, todos os membros dela têm sua própria personalidade. Um exemplo é o criançasCada um dos menores tem seu próprio procedimento e uma maneira única de se comportar. Apesar de terem recebido a mesma educação dos pais, vão para a mesma escola e recebem os mesmos valores, possuem personagens diferentes.

Por que essas mudanças de personalidade ocorrem entre crianças? Kevin Leman, autor do livro The Order Order Book, enfatiza que a ordem de nascimento das crianças tem uma influência muito singular sobre o desenvolvimento dos membros mais jovens da família. Ser o mais velho, o médio ou o menor tem efeitos significativos no modo de encarar a vida das crianças em casa.


Autoridade do major

Primeiro, este autor fala sobre a personalidade do primogênito, que se torna uma extensão do liderança de seus pais. Eles têm uma tendência a assumir o controle e ter muita auto-estima.Leman associa essa confiança na ausência de irmãos mais velhos para tirar sarro deles quando aprendem a amarrar seus sapatos ou andar de bicicleta.

Na vida familiar, isso se traduz em um mediação em conflitos de pais com irmãos mais novos e, em alguns casos, na transformação de crianças mais velhas em uma espécie de 'polícia' da casa que garante que os pequenos cumpram as regras de coexistência. Por esta razão, os pais são aconselhados a não permitir que essa liderança se torne uma tirania onde a liderança parental seja abalada pelos primogênitos.


Indefinição do meio

Se a pessoa idosa geralmente apresenta uma personalidade de liderança, os filhos do meio não têm um perfil bem definido. Leman diz que nesses casos as crianças nascidas após a primeira preenchem a lacuna deixada por seus predecessores. Se estes se comportarem como uma extensão da liderança parental, os intermediários serão mais rebeldes e se oporão às regras do pais.

Claro, Leman diz que eles tendem a ser os mais independentes. Depois deles chegam crianças pequenas, o que significa a perda de atenção de seus pais. Essa situação de estar entre o mais velho e o mais velho faz com que eles procurem esse carinho, que eles acreditam que falta, em sua círculo de amigos.

Por este motivo, se recomenda os pais não se esquecem quando chegam os pequeninos. Uma técnica que este autor aconselha é envolvê-los no cuidado de crianças pequenas e participar de atividades com os primogênitos para que fortaleçam o conceito de família e não se sintam excluídas do lar.


A tranquilidade com o menor

Finalmente, Leman aponta que, no caso da criança, essas crianças são geralmente as mais calmas, afetivas e sociáveis ​​de todas. Os pais não costumam colocar tantos limites nesses casos, chegam a esse estágio depois de terem educado os outros e não ficam tão nervosos quanto quando o primogênito chegou e eles não tinham experiência na paternidade.

Isso leva a que eles recebam mais confiança e sejam autorizados a agir mais em seu lazer. Embora, no entanto, isso não se traduza necessariamente em maior auto-estima. Vendo o maior e mais forte primogênito, eles se sentem em posição de desvantagem, então sua visão pessoal sempre será comparada àqueles que nasceram à frente. Isso os leva a buscar aprovação de outras maneiras, como reivindicar atenção fazendo travessuras ou tentando ser engraçados constantemente.

Damián Montero

Vídeo: Pastor Claudio Duarte - Criação dos Filhos


Artigos Interessantes

10 chaves para incentivar a leitura em seus filhos

10 chaves para incentivar a leitura em seus filhos

O lendo Tem benefícios infinitos, especialmente se for um hábito que é cultivado desde cedo. A leitura fortalece a imaginação, ajuda a criança a aprender, a se divertir sozinha e favorece nossa...

O desafio de aprender a estar no berço

O desafio de aprender a estar no berço

A educação das crianças pode começar desde o primeiro dia da vida do bebê. O berço É um ambiente perfeito para incentivar alguns hábitos educacionais, embora às vezes os pais acreditem erroneamente...