Álcool e bullying, dois problemas que têm muito a ver

As novas gerações enfrentam numerosos problemas que ameaçam seu desenvolvimento. Entre eles, há dois que se destacam e enchem muitas manchetes por causa do perigo que têm para os jovens. Por um lado, o intimidação, o que faz com que os alunos vivam um inferno todos os dias enquanto são vítimas de ridicularização e, às vezes, agressão física. Do outro lado da mesa aparece o consumo de álcool, uma substância excessivamente prejudicial a esses corpos ainda em desenvolvimento.

A priori, pode parecer que ambos os problemas não têm relação entre eles. No entanto, um novo estudo publicado no Academia Americana de Pediatria aponta a ligação entre os dois perigos para os jovens. Um alerta que incentiva a implementação de medidas preventivas contra ambas as situações.


Via de escape

Este estudo centrou-se em 4.297 jovens de diferentes áreas para ver se poderia haver uma relação entre os alunos que foram vítimas de intimidação e o consumo de álcool. Esta investigação durou desde o 2004 a 2011 e constatou-se que, de fato, os estudantes que foram assediados por seus pares ou discriminados regularmente encontraram na bebida dessas substâncias uma maneira de escapar dessa situação.

Os alunos que foram vítimas de bullying nos primeiros níveis de educação foram mais propensos a desenvolver o consumo de álcool quando chegaram à juventude. Um perigo que aumentou quando eles atingiram a adolescência porque nessas substâncias eles encontraram uma falsa sensação de alívio que os encorajou a lidar vexações e insultos para aqueles que enfrentaram em seu dia de escola.


Mas não só o álcool se apresentou como via de escape para os jóvens. Outros produtos tão perigosos quanto o tabaco ou a maconha também foram usados ​​para "esquecer" o assédio que sofreram em sua escola. Os especialistas apontam ainda que, no caso de crianças entre 13 e 16 anos, o consumo desses itens também responde à pressão social. O medo de ficar sem amigos e de ser vítima de bullying leva-os a participar dessas atividades prejudiciais.

Sinal de aviso

Os responsáveis ​​por este estudo explicam que o consumo de álcool e tabaco em adolescentes pode ser sinal de aviso para pais e outros educadores. Vendo que um jovem que nunca tinha bebido antes, de repente, mostra sintomas de embriaguez, juntamente com uma natureza reservada pode ser um aviso de que ele está sofrendo de uma situação de assédio em sua escola. As autoridades também são encorajadas a levar isso em consideração ao fazer políticas anti-bullying.


O Especialistas Eles apontam que é importante intervir nessas situações para evitar a sensação de vitimização nos jovens e impedi-los de recorrer ao álcool como rota de fuga. Esses pesquisadores destacam a importância de aumentar a conscientização de que esses casos devem ser relatados em vez de encontrar "saídas", como o consumo de substâncias nocivas ao organismo. Os adolescentes que optam por beber em vez de tornarem o caso conhecido são outro exemplo da preferência pelo isolamento das vítimas.

Também sugere a necessidade de lutar contra o bullying dos primeiros níveis de ensino. Este estudo indicou que os jovens que são atormentados na infância desenvolvem um trauma que os faz cair no álcool em sua adolescência. Incentivar a compreensão e boas relações entre os estudantes reduzirá consideravelmente o risco de consumo dessas substâncias.

Estas são algumas medidas para prevenir o assédio no salas de aula:

- Cuidar de seus filhos, conversando com eles e criando um canal de diálogo. Evite monólogos. Você aprende e conhece melhor seus filhos, ouvindo-os.

- Abordar possíveis sintomas como nervosismo, falta de apetite, insônia, baixo desempenho escolar ou fobia escolar.

- Controlar e supervisionar os comportamentos das crianças, observando o que fazem, para onde vão, com quem jogam, quais são seus interesses e projetos.

- Determine os limites e regras. Exigir a conformidade com os elementais.

- Educar para controlar emoções, para se comportar com os outros e para coexistir com os outros.

- Observar comportamentos, humores e mudanças nos hábitos das crianças.

Damián Montero

Vídeo: Como ajudar alguém sofrendo?


Artigos Interessantes

Eduque em sentimentos

Eduque em sentimentos

Javier Urra Psicólogo e primeiro defensor infantilSomos treinados na aprendizagem do conhecimento, mas em que mais é necessário educar? "O conhecimento começa com sensibilidade" (Eliot). É...

Criatividade na infância promove empreendedorismo

Criatividade na infância promove empreendedorismo

O criatividade É uma forma de expressão com inúmeros benefícios, que deve começar a trabalhar com crianças de pequeno porte. Embora, em princípio, pareça ser criativo, é necessário ter um talento...

97% dos pais incentivam atividades extracurriculares

97% dos pais incentivam atividades extracurriculares

O atividades extraescolares eles são o complemento perfeito para a educação acadêmica das crianças. Eles ocupam o tempo de lazer e a lição de casa, mas são muito positivos para as crianças, de modo...