Imunoterapia em bebês: a última coisa a tolerar o leite de vaca

O alergia a proteínas do leite de vaca é o primeiro a aparecer na vida de crianças e bebês e, na maioria dos casos, é desencadeado pela transição da amamentação para a artificial. Existem dois tipos de alergia a leite de vaca, aquele não mediado por IgE, que tende a ser resolvido mais cedo na infância, e o IgE mediada que pode persistir até a adolescência.

Agora, uma equipe de alergistas pediátricos do Hospital Miguel Servet, Zaragoza, mostrou em um estudo, um pioneiro no mundo, que você pode eliminar os sintomas da alergia ao leite de vaca em bebês, aplicando imunoterapia oral desde a época da diagnóstico, antes do primeiro ano de vida. Assim, os riscos de ingestão acidental de leite de vaca quando crianças são mais velhas são reduzidos e a qualidade de vida das crianças e de suas famílias é melhorada.


Imunoterapia oral em bebês para tolerar leite de vaca

Até agora, o imunoterapia oral com alimentos foi aplicado apenas em alguns hospitais espanhóis e depois de dois anos em alguns deles. Com este estudo, realizado com 251 crianças com uma média de 5 meses de vida, mostra-se que, se receberem esse tratamento a partir do primeiro dia de diagnóstico, 98% dos bebês recebem tolerância antes do ano.

O trabalho realizado no hospital de Aragão foi realizado com Bebês com IgE mediada por alergia, que afeta 0,5% de todos os recém-nascidos. "Até então, o tratamento usual é a dieta de exclusão ou evitação que, no caso de leite de vacaNão está livre de riscos porque está presente em muitos produtos alimentícios industriais. "Nesses casos, existem fórmulas especiais para bebês que fornecem um valor nutricional seguro e completo ao leite de vaca". Portanto, se anteciparmos o momento em que a criança começa a consumir esse tipo de alimento, por exemplo, biscoitos, ou seja, a partir do primeiro ano, evitamos alterar tanto sua qualidade de vida quanto a de suas famílias, devido ao constante medo da ingestão acidental ", explica. .


Sintomas da alergia ao leite de vaca

Nas reações mediadas por IgE, os sintomas aparecem entre os minutos e duas horas após a ingestão de leite de vaca, quase sempre antes de decorrida uma hora. A intensidade das reações varia de leve a reações que podem comprometer a vida da criança, como anafilaxia. Os sintomas clínicos podem afetar a pele, orofaringe, trato respiratório superior e inferior, sistema gastrointestinal e sintomas cardiovasculares.

"O objetivo é reeducar o sistema imunológico para induzir a tolerância, por isso, se realizá-lo antes que eles atinjam o primeiro ano de vida, quando o sistema imunológico está em pleno desenvolvimento, as vantagens são maiores", diz o médico. Boné. O Os sintomas mais frequentes foram cutâneos (58%) "Todos receberam imunoterapia oral a partir do momento do diagnóstico e em 98% dos casos obtiveram tolerância ao leite, o que dá um futuro muito encorajador para aqueles com alergia a outros alimentos como os ovos, os mais freqüentes em crianças pequenas. ", ele enfatiza.


Resultados promissores para crianças e bebês alérgicos ao leite de vaca

Estes resultados "são muito encorajadores do ponto de vista físico e emocional, já que abre a porta para uma melhor qualidade de vida para muitas crianças que podem começar a estudar sem medo de sofrer sintomas", explica Ana Murillo, delegada em Aragão de la Associação Espanhola de Pessoas com Alergia Alimentar e Látex (AEPNAA).

As doenças alérgicas, como a do leite de vaca, causam problemas tanto para os jovens como para as suas famílias, em muitos casos, quando o bebé ainda está a amamentar, implica mesmo uma dieta de evasão para a mãe. "Além disso, a alergia alimentar leva a conflitos quando se trata de faça a compra, verifique os rótulos ou faça refeições fora de casa, pois os riscos de ingestão acidental são muito elevados. "Por outro lado, também provoca uma alteração nas relações sociais", porque chegam à escola e são excluídos de certas atividades e tendem a ter dificuldades de adaptação e integração ", ressalta. Assim, a criança com um ano torna-se já tolerante graças à imunoterapia oral, "implica evitar todos estes problemas tanto para eles como para os pais", acrescenta.

Doutor Javier Boné. Coordenadora do estudo e presidente do Comitê Organizador do Congresso.

Vídeo: Como conviver com a alergia alimentar com saúde e bem-estar


Artigos Interessantes

Renault Espace: robusto, elegante e inovador

Renault Espace: robusto, elegante e inovador

A última geração do Renault Espace passa por uma transformação que lhe permite entrar no campo da Grandes SUVs, com uma nova imagem e inovações técnicas. Tem um comprimento de 4,86 ​​metros e um...

Como resolver conflitos na sala de aula

Como resolver conflitos na sala de aula

Em todas as salas de aula, os conflitos existem em algum momento ou outro. Conflitos entre estudantes são inevitáveis ​​e não precisam ser ruins. E se isso é um problema, é o uso inadequado da...

Co-dormindo, é bom dormir com o bebê?

Co-dormindo, é bom dormir com o bebê?

Co-dormir é uma prática pouco conhecida na sociedade ocidental, embora pouco a pouco comece a falar mais sobre ela, bem como valorizar os benefícios que ela acarreta para o bebê. Nós chamamos de...

Higiene: o perigo silencioso que se esconde na rede

Higiene: o perigo silencioso que se esconde na rede

Foto: ISTOCK Aumentar a fotoO anonimato é uma das palavras que melhor definem a internet. Durante os dias em que nossos filhos passam navegando, é possível encontrar alguém que não seja quem eles...