Autonomia infantil: chaves para gerenciar de forma independente

Numerosos estudos e investigações em diferentes disciplinas falam da importância de autonomia em crianças e em adolescentes. Do ponto de vista da Psicologia Educacional, o desenvolvimento de autonomia é uma das prioridades para promover em diferentes áreas, desde aprender a se vestir ou arrumar sua cama, a administrar suas emoções de forma independente.

Como afirmado no artigo 16 da Convenção sobre os Direitos da Criança: "a criança tem o direito de desenvolver progressivamente o exercício de seus direitos, ou seja, a criança como sujeito integral de direitos, adquire autonomia e o Estado e a Família , apoiar e proteger o desenvolvimento da criança, para que exerçam progressivamente os seus direitos, de acordo com a evolução das suas faculdades.


O estilo permissivo dificulta o desenvolvimento da autonomia

No entanto, é uma realidade que o estilo educacional que foi imposto nas diferentes famílias é o permissivo, em que a criança é oferecida inúmeras oportunidades, confiança e prêmios, mas os limites e controle são visíveis por sua ausência. Essa situação gera múltiplas consequências no desenvolvimento evolutivo da criança, dentre elas, um nível mínimo de autonomia em hábitos como higiene pessoal, alimentação ou autocuidado. Às vezes, os níveis de autonomia são tão escassos, que é a própria escola que é responsável por ensinar e adquirir esses hábitos.

Como regra geral, a falta de envolvimento por parte dos pais nessa questão prejudica o desenvolvimento de hábitos básicos de autonomia. Eles preferem fazê-lo porque o fazem de maneira mais rápida e melhor, ou são dominados pela crença de que "aprenderão quando envelhecerem", sem levar em conta as dificuldades que possam surgir nos estágios evolutivos futuros. É necessário enfatizar que um criança ou uma criança auto-suficiente tende a se comportar de uma maneira dependente: demanda ajuda constante para resolver situações que ele ou ela poderia resolver, tem pouca iniciativa ou não enfrenta as responsabilidades que podem surgir no estágio em que ele está vivendo. Esse tipo de comportamento pode afetá-lo na aprendizagem ou na socialização com outras crianças.


Como trabalhar a autonomia das crianças para que elas ganhem em independência

Dessa forma, podemos levantar algumas questões relacionadas à autonomia dos menores e seu impacto no desenvolvimento físico e emocional: Quais são os aspectos que devemos levar em conta na autonomia de crianças e adolescentes? Como os pais e / ou professores devem agir? Que tipo de diretrizes devemos ensinar aos nossos filhos?

Há vários aspectos que devemos levar em conta e é nisso que temos que trabalhar para aumentar a independência da criança. Entre eles, o mais importante:

- A alimentação: desenvolva hábitos de poder comer sozinho, leve seu prato quando terminar, coloque ou remova a mesa, faça o lanche etc.
- higiene pessoal: esses comportamentos relacionados ao autocuidado. Por exemplo, escovar os dentes, tomar banho, lavar as mãos ...
- Vestuário: desenvolvimento de hábitos que têm a ver com roupas: organização de suas roupas, dobrar e armazenar ou vestir-se por si mesmo.
- Coexistência na sociedade: comportamentos ligados às relações sociais e suas normas: diga olá, palavras de gratidão, pergunte por favor, respeite as voltas de fala, saiba ouvir etc.
- O uso de novas tecnologias: promover o uso responsável e o controle de novas tecnologias: respeito aos cronogramas, respeito à privacidade e privacidade, etc.


Hábitos para desenvolver a autonomia das crianças

Devemos ter em mente que, para desenvolver autonomia pessoal nas categorias anteriores, devemos trabalhar com hábitos. Portanto, devemos entender que são comportamentos repetitivos e automatizados (nenhum tipo de envolvimento cognitivo intervém depois de ter desenvolvido o hábito) e devem ser estabelecidos de forma progressiva e constante. Portanto, paciência e perseverança são fundamentais.

A maioria das crianças responde apropriadamente com rotinas. Portanto, a chave
será para que os hábitos se tornem processos rotineiros.

Em geral, com a prática ideal, os hábitos são aprendidos em torno de 20 ou 30 dias. Além disso, para alcançar o desenvolvimento de uma rotina, é necessário realizar uma série de diretrizes nas quais os seguintes aspectos são trabalhados:

1. Defina o comportamento que você deve realizar e prepare o contexto: Neste primeiro ponto, é muito importante que o adulto realize esse comportamento lentamente, para que a criança possa imitar o comportamento desejado de maneira apropriada. Em primeiro lugar, o adulto pode reproduzi-lo enquanto o menor observa com cuidado. Em segundo lugar, a criança imita o comportamento enquanto o adulto a reproduz.Por esse motivo, é essencial decompor o comportamento em etapas concretas e bem definidas (Técnica de Modelagem).

2. A importância da prática para o desenvolvimento de hábitos é fundamental. No início, muitas vezes é necessário repetir a mesma prática muitas vezes e converter o comportamento desejado em hábito. Enquanto você pratica, você pode se lembrar das instruções com ajuda passo a passo, bem como reforçar o progresso que você faz sozinho. Para essa fase, o momento é essencial.

3. Supervisão depois de ter conseguido realizar o comportamento por conta própria. Para isso, é necessário rever como ele realiza o comportamento e a avaliação dos resultados. No caso de os resultados não serem os esperados, deve ser encorajado que possa sempre ser melhorado.

4. O hábito é o desejado. Não mais qualquer tipo de ajuda ou supervisão, a criança ou adolescente executará o comportamento de maneira repetitiva e constante, tornando-se o hábito desejado.

Em suma, a autonomia de uma criança é fundamental para o seu desenvolvimento físico e emocional, extrapolando desde suas fases de vida na fase adulta.

Ángel Bernal Caravaca. Psicólogo e mediador Co-fundador da Lomber Soluciones Cyberbullying.

Vídeo: A educação proibida (completo) legendado [EadGames apoia]


Artigos Interessantes

Eduque em sentimentos

Eduque em sentimentos

Javier Urra Psicólogo e primeiro defensor infantilSomos treinados na aprendizagem do conhecimento, mas em que mais é necessário educar? "O conhecimento começa com sensibilidade" (Eliot). É...

Criatividade na infância promove empreendedorismo

Criatividade na infância promove empreendedorismo

O criatividade É uma forma de expressão com inúmeros benefícios, que deve começar a trabalhar com crianças de pequeno porte. Embora, em princípio, pareça ser criativo, é necessário ter um talento...

97% dos pais incentivam atividades extracurriculares

97% dos pais incentivam atividades extracurriculares

O atividades extraescolares eles são o complemento perfeito para a educação acadêmica das crianças. Eles ocupam o tempo de lazer e a lição de casa, mas são muito positivos para as crianças, de modo...