Aumentar o uso de aplicativos espiões entre os mais jovens

A violência baseada em gênero é um problema que muitas vezes vemos sociedade atual. Uma questão que não só se manifesta através de ataques físicos, mas também através de desconfiança, falta de respeito, desprezo e outras formas que constituem a agressão psicológica.

Uma das respostas para esse problema está na educação das futuras gerações. No entanto, parece que os jovens não entendem a violência que não é física, que é baseada na desconfiança e no desprezo. Então eles o avisam do Observatório contra a violência doméstica e de gênero, organismo que alerta para o uso crescente de aplicações de espionagem em adolescentes para saber o que usam seus parceiros para dar seus smartphones.


Compartilhe senhas: teste de amor

Esta organização alerta para o problema que trouxe a chegada dos smartphones à vida dos adolescentes. O componente de privacidade o que supõe a existência de senhas para aceder a estes dispositivos é uma fonte de ciúmes já que em muitas ocasiões o facto de não conhecer estes dados faz que os adolescentes pensem que seus pares escondem algo.

Desta forma, o fato de compartilhar senhas com casais entre os mais novos é visto como um prova de Amor e confiar na outra pessoa quando, na realidade, o que você está fazendo é desistir de uma parte da privacidade. Outras dessas "demonstrações de afeto" são vistas pelos adolescentes que exigem ver suas mensagens e chamar a história.


Aplicativos espiões: aumento do uso entre jovens

No entanto, essa falta de confiança produzida pelos smartphones deu um passo adiante de acordo com esse órgão. Agora muitos adolescentes instalam aplicações de espionagem nos celulares de seus parceiros que enviam informações em tempo real sobre o uso que fazem de seus dispositivos móveis. O que significa que em muitas ocasiões os jovens encontram recriminações sem saber muito bem de onde vêm.

Um caso claro de violação da privacidade do Observatório contra Violência Doméstica e Gênero assegura cresce todos os dias mais depois de ver o aumento desses casos nos tribunais. Situações em que um adolescente acusa seu ex-parceiro de ter usado este aplicativo para acessar informações íntimas sem o seu consentimento. O pior de tudo é que essas ferramentas não deixam nenhum traço que diz à vítima que ela é carregada no smartphone.


As agressões digitais

Este organismo que apesar de todos os adolescentes rejeitarem a violência física, essa nova agressões digitais não é concebido como tal. Portanto, é necessário realizar trabalhos de educação relacionados ao uso de novas tecnologias para evitar a expansão desses casos.

A primeira coisa é explicar aos adolescentes que o celular deve ser usado como ferramenta de comunicação ou consulta na web aproveitando suas vantagens de conexão à internet. Nunca como um método para espionar a privacidade do seu parceiro, um ato que, por outro lado, supõe a violação de um dos direitos fundamentais de cada pessoa.

Fazer com que as crianças façam uso responsável de seus smartphones é uma das missões que os pais devem assumir quando facilitar Um desses dispositivos para seus filhos.

Damián Montero

Vídeo: Dica Infalível, Ver Conversas de Outras Pessoa no Whatsapp ( Atualizado )


Artigos Interessantes

Metade das crianças espanholas vive com um fumante

Metade das crianças espanholas vive com um fumante

O tabaco não é apenas prejudicial fumantes. A fumaça que eles emitem também afeta os que estão ao seu redor. Muitos são os efeitos daqueles que respiram neste ambiente, um lembrete de que é...

Semana 31. Gravidez semana a semana

Semana 31. Gravidez semana a semana

 Alterações na gestante: semana 31 da gestaçãoDentro das mudanças na gestante na semana 31, além do evidente aumento de volume, três coisas são fundamentais:1. Por um lado, as chamadas são mais...