Cyberbullying: 9 modalidades diferentes

As câmeras ou vídeos de qualquer smartphone são meios suficientes para gravar ou fotografar um parceiro em situações íntimas ou comprometidas, como no chuveiro ou no banheiro. Mais tarde, eles são distribuídos entre um grupo de amigos para zombar e se tornar a pobre vítima, eles até conseguem se pendurar na Internet. Falamos de cyberbullying, uma forma de assédio na Internet que cada vez mais adota novas formas e tem mais modalidades diferentes.

Assediar com novas tecnologias

A utilização generalizada da telefonia móvel e da Internet deu origem a novos modos de intimidação através de novas tecnologias ou cyberbullying. Bullying através de SMS, e-mails anônimos ou sites difamatórios está se tornando mais comum e se tornou uma das armas preferidas para os valentões quando se trata de intimidar seus pares. As vítimas do cyberbullying estão agora duplamente perturbadas: dentro e fora da classe.


Ao contrário do que acontece no mundo real, no mundo digital você não precisa ser muito forte ou ter o apoio de uma gangue para assediar um parceiro, então qualquer um pode exercer esse tipo de agressão se você tiver a tecnologia . Em nosso país, uma em cada cinco crianças declara que alguma vez ameaçou ou insultou qualquer um de seus colegas usando o ambiente digital. Tudo indica que Esse tipo de assédio está em alta, conforme a UNESCO adverte e agora também é tipificado como crime.

9 modalidades de cyberbullying

As formas que o cyberbullying adota são muito variadas e são limitadas apenas pela perícia tecnológica e imaginação dos molestadores de crianças. Alguns exemplos concretos das modalidades de cyberbullying podem ser os seguintes:


1. Pendure uma imagem comprometida na Internet (real ou feito por fotomontagens), dados sensíveis, coisas que podem prejudicar ou constranger a vítima e torná-lo conhecido em seu ambiente de relacionamento.
2. Inscrever a vítima, com foto incluída, em um site onde se trata de votar na pessoa mais feia, a pessoa menos inteligente ... e acusá-lo de "pontos" ou "votos" para que ele apareça nos primeiros lugares.
3. Crie um perfil falso ou espaço em nome da vítima, onde certos eventos pessoais, demandas explícitas de contatos sexuais, etc. são escritos como confissões na primeira pessoa.
4. Deixe comentários ofensivos em fóruns ou participar de forma agressiva em chats que se apresentam como vítimas, para que as reações sejam subsequentemente dirigidas àqueles que sofreram roubo de personalidade.
5. Registre o endereço de email em certos lugares para que depois seja vítima de spam, de contatos com estranhos ...
6. Usurp sua chave de e-mail pois, além de alterá-lo para que seu legítimo proprietário não possa consultá-lo, leia as mensagens que chegam à sua caixa de correio violando sua privacidade.
7. Provocar a vítima em serviços da web, que tem uma pessoa responsável por monitorar ou moderar o que acontece lá (chats, jogos online, comunidades virtuais ...) para obter uma reação violenta que, uma vez denunciada ou evidenciada, supõe a exclusão de quem realmente foi a vítima.
8. Circule rumores em que a vítima é considerada repreensível, ofensiva ou desleal, para que outros, sem questionar o que lêem, exerçam suas próprias formas de retaliação ou assédio.
9. Envie mensagens ameaçadoras por e-mail ou SMS, Perseguir e perseguir a vítima nos lugares da Internet em que se relacionam de maneira habitual, provocando um sentimento de completa opressão.


Os três meios de cyberbullying

1. O email. Embora tenha começado como uma das formas mais difundidas de cyberbullying, porque pode ser usado anonimamente ou com uma conta de e-mail que é estranha à sua, outras plataformas usurparam o primeiro lugar. O procedimento é simples e, embora seja possível detectar de onde veio a correspondência, o agressor raramente pode ser identificado. Por meio dele, mensagens de assédio e ameaças pontuais podem ser enviadas, bem como fotos de eventos de bullying previamente registrados, como e-mails entre os companheiros motivados para fazer gozação da vítima.

2. O telefone celular. Por meio de chamadas anônimas feitas em horários inoportunos: ligações silenciosas ou ameaças graves que incluem insultos, gritos ou mensagens intimidadoras. Além de mensagens de texto, WhatsApp, imagens ou texto em redes sociais como Facebook, Twitter ou Instagram, gravações de vídeo ou mensagens de voz.

3. Websites Sem dúvida um dos mais nocivos. Requer um maior domínio das TICs, já que não só é necessário ter noções de web design, mas também é necessário alojá-lo na Internet sem que o agressor possa ser identificado.Geralmente, a maioria dos alunos na sala de aula sabe o site criado e humilhar a vítima. Nestas páginas você pode ver fotos, vídeos e comentários difamatórios para a criança atacada. Também fotologs ou pesquisas de escárnio (por exemplo, um voto "que é o mais feio da classe") se tornaram opções para estigmatizar colegas de classe.

Ana Aznar
Conselho: Fernando García Fernández. Diretor de Comunicação. Escola Irabia (Pamplona)

Vídeo: Corto Animado Bullying (Blender)


Artigos Interessantes

O suspense, uma tragédia para os pais?

O suspense, uma tragédia para os pais?

Se algo está claro, é que, em face das notas baixas dos filhos, os pais muitas vezes se sentem indiretamente responsáveis. No entanto, instintivamente, dizemos frases como: você é todo o verão...

O risco de cistite aumenta no verão

O risco de cistite aumenta no verão

Metade das mulheres sofre de cistite em algum momento das suas vidas e esta infecção causada pelas bactérias Escherichia coli é maior em julho e agosto devido a maiôs molhados e o consumo de cafeína,...