O prognóstico da epilepsia, de acordo com o AEP

Existem muitas doenças que as crianças sofrem e que tiram o sono dos pais. Um deles é o epilepsia, uma doença cujo prognóstico Isso levanta dúvidas nos pais sobre as sequelas que permanecerão nas crianças em sua fase adulta ou sobre qual qualidade de vida elas terão no caso de essas doenças serem reveladas como crônicas.

Dada a violência que pode ocorrer quando o convulsões epilépticas, Preocupar-se com o seu prognóstico é especialmente importante. No entanto, a Associação Espanhola de Pediatria, AEPED, garante que A epilepsia tem um bom prognóstico a longo prazo, desde que não complique outros problemas neurológicos. Este organismo refere-se a vários estudos que suportam esta tese sobre a evolução desta doença neurológica. Existem vários dados que situam em torno de 70% dos casos em que, após o tratamento, as crises que caracterizam epilepsia eles não aparecem novamente.


O que é epilepsia?

Segundo a AEPED, a epilepsia é uma doença neurológica que consiste em uma descarga excessiva de neurônios, ou seja, uma falha na atividade elétrica do cérebro. A epilepsia se manifesta através de crises que alteram o nível de consciência e a contração muscular. Esses transes são acompanhados por outros sintomas, como distúrbios sensoriais (perda parcial da visão, percepção inadequada de odores, etc.), distúrbios vegetativos (sudorese, taquicardia ou palidez).

Quando uma criança sofre continuamente Convulsões são quando falamos de epilepsia. Este distúrbio neurológico é um dos mais comuns em todo o mundo, na verdade, o Organização Mundial da Saúde, OMS, número 50 milhões afetados pela epilepsia. Na Espanha, a epilepsia infantil está entre 40 e 60 casos por 100.000 habitantes.


É importante que, como em qualquer outra doença, os pais procurem um especialista para diagnosticar a epilepsia e iniciar um tratamento para aliviar essa condição. Esses sinais podem se manifestar de duas maneiras:

- crises parciais: Essas primeiras manifestações indicam que a epilepsia está presente em uma área específica do cérebro. Este distúrbio é manifestado através de alterações na expressão facial ou sacudidela parcial de uma parte do corpo.

- crises generalizadas: Quando os sintomas pioram, há perda de conhecimento e falta de resposta a estímulos externos durante esses transes. Além disso, o indivíduo experimenta palidez e sofre convulsões fortes. Isso indica que a epilepsia está presente em ambos os hemisférios do cérebro.

Uma vez que esses sintomas são detectados, é importante consultar um médico para esclarecer o que acontece com a criança. Será importante atender ao histórico médico do paciente, pois, se houver um histórico de epilepsia na família, há uma boa chance de a criança sofrer desse transtorno. O eletroencefalograma também é usado como um teste para diagnosticar esta doença. Outros estudos, como exames de sangue ou ressonância magnética, podem ajudar nesse diagnóstico.


Prognóstico da epilepsia

Uma vez que o especialista diagnostique esta doença, é importante iniciar um tratamento que interrompa essas crises. Para este fim, medicamentos anticonvulsivantes que controlam os transes serão usados. Às vezes, outros métodos, como uma dieta específica, são necessários e, em casos específicos, a intervenção cirúrgica será necessária. A AEPED dá ênfase especial à higiene do sono, isto é, garante que a criança tenha um bom descanso.

Esses tratamentos provam ser verdadeiramente eficazes, pois na maioria dos casos essas crises diminuem. O AEPED refere-se a um estudo onde se especifica que uma vez controladas essas crises Graças à medicação, eles remetem em 70% dos casos de epilepsia infantil. Esses dados referem-se apenas aos casos em que a criança não apresenta nenhum outro distúrbio neurológico.

A Associação Andaluza de Epilepsia, APICE, também indica que a epilepsia geralmente tem um bom prognóstico a longo prazo graças ao tratamento. Este organismo indica que a probabilidade de um paciente não sofrer uma crise um ano após a medicação é de cerca de 80%. A longo prazo, o APICE indica que aproximadamente 60% dos adultos que sofreram epilepsia na infância podem parar de tomar o medicamento anticonvulsivante.

No entanto, este corpo esclarece que este ponto só é alcançado após vários anos de tratamento, um período de tempo em que é possível até mesmo que a resistência a esta droga seja gerada, por isso teremos que procurar uma nova droga. O APICE indica que não é aconselhável interromper o tratamento antes de dois anos de tratamento. Se após a retirada desta droga o paciente não apresentar sintomas de epilepsia novamente, isso pode impedir a ingestão de medicamentos.No entanto, se os sinais desse distúrbio neurológico reaparecerem, recomenda-se consultar um especialista para decidir se é necessário recomeçar o procedimento contra essa condição.

Damián Montero

Vídeo: Estudo comparativo de dez medicamentos para idosos com epilepsia.


Artigos Interessantes

Planos urbanos com crianças contra o calor

Planos urbanos com crianças contra o calor

Desfrutar de férias e tempo livre é o objetivo de muitas famílias com crianças durante o verão. Para combater o calor, não há nada melhor do que pensar em atividades aquáticas para que as crianças se...

Como evitar lesões do futebol

Como evitar lesões do futebol

Manter-se em forma É uma das obrigações que toda pessoa deve assumir, mesmo a menor da casa. Para isso existem várias opções: caminhadas, aulas de dança ou a prática de um esporte como futebol. Essas...