A crise de personalidade de crianças de 6 anos

Especialistas dizem que aos 6 anos, as crianças sofrem uma crise, e que, provavelmente, será o mesmo que a experiência de 12 e 40 anos. Sim, nós pais podemos contribuir para a famosa "crise de personalidade do 6 anos "não seja tão radical em expressar suas emoções e atitudes.

Isso manifesta a crise de personalidade de crianças de 6 anos de idade

Em primeiro lugar, é importante ter em mente três ideias fundamentais: paciência, demanda e afeição. O que há de errado com ele?

- É revelado impor sua vontade à vontade dos outros.
- Ele não aceita autoridade.
- Risos e choros até perder o controle.
- Não há ninguém que entenda suas saídas. Ele se comporta caprichosamente.
- A criança se sente desorientada e desconfortávelÉ por isso que reage desproporcional e quase sempre entre os dois extremos do que quer que seja.
- Não é reflexivo, as alternativas o dominam e ele não é capaz de decidir.
- Sua resposta a quase qualquer requisito será "não".
- atitude desafiadora. Não é um germe de uma atitude negativa, e mesmo que isso te incomoda, é um passo à frente do seu personagem. Não perca de vista.
- Os homens geralmente vão para o estado de "não pare", o ativismo cresce.


Por que a crise de 6 anos e como tratar as crianças

As reações da crise da maturidade têm sua origem no acelerado desenvolvimento do sistema nervoso, diante do qual a criança reage com todo o seu corpo através de todo o espectro de emoções. Suas reações devem ser interpretadas como sintomas de seu crescimento, que teremos que orientar adequadamente.

Por isso, é melhor entender sua situação e tentar sofrer com essa falta de segurança, oferecendo pontos de apoio, rituais que se repetem todos os dias, como o beijo de bom dia, para recebê-lo com um lanche à mesa, para ver você em casa. as mesmas horas ...

É essencial respeitar seu desejo de intimidade, aproveitar os momentos em que eles querem conversar, interessá-los pela leitura e outras atividades que exigem concentração.


Você saberá que seu filho terminou sua crise quando você percebe um silêncio de sua atitude. A criança se tornará mais introvertida e, sem dúvida, muito mais madura quanto mais esforço, paciência e afeto tivermos nele durante os períodos de crise.

Antes da crise dos 6 anos, lembre-se que ...

1. Uma maneira de orientar o ativismo Os próprios 6 anos, por exemplo, são para incentivá-lo a praticar esportes ou jogar jogos que desenvolvam seus músculos ou sua criatividade.

2. A punição por suas birras É a pior solução, porque ficará com raiva e poderá perder o controle. É uma paciência mais efetiva. Se tivermos que lutar contra ele, faremos isso com sinceridade e calmamente. E se nós não pudermos porque nossos nervos podem, eu aconselho você a ir ao seu quarto, esperar o momento certo, e partir com um espírito melhor.

Fatores que agravam a crise dos 6 anos de crianças

Embora essa instabilidade seja frequente aos seis anos, há crianças que não sofrem tão drasticamente. Por outro lado, outros se revelam de maneira muito mais radical. Alguns fatores que predispõem a esta situação são agravados são os seguintes:


1. Na criança: São de temperamento difícil, têm insegurança, baixa autoestima, impulsividade, dificuldades evolutivas. Nós não fomos capazes de educar esses erros.

2. Na família: há um estresse contínuo na família, um vínculo com seu filho inseguro, falta de redes familiares, falta de tempo íntimo com seus pais, estilo educativo pessimista ou medroso, ansiedade.

3. Com amigos: rejeição de seus pares, amigos problemáticos.

4. Na escola: dificuldade de adaptação ao ambiente escolar, baixo desempenho acadêmico, dificuldades na realização de atividades extra-acadêmicas. Geralmente coincide com o passo da Educação Infantil para a Primária e, às vezes, com uma mudança de escola, pavilhão e estilo educacional. Acontecem que são os mais velhos da Infantil aos pequenos do primário.

5. Conexão família-escola: falta desse contato, pais que não conhecem os amigos de seus filhos, valores, expectativas e aspirações em clara oposição à escola e a outros colegas.

Fatores de proteção contra a crise dos 6 anos

Em nossas mãos é contribuir, através da paciência, carinho, explicação e certas regras que nosso filho chegou a seis anos mais "tranquilo".

1. Na criança: temperamento fácil, boa autoestima e disposição para relacionamentos sociais. Ausência de dificuldades evolutivas.

2. Na família: ambiente estruturado, apego seguro, boa rede de apoio familiar, tempo íntimo com os pais, carinho, equilíbrio, pais otimistas e alegres, senso de humor.

3. Com amigos: bons amigos, estáveis ​​e recíprocos, amados por seus companheiros.

4. Na escola: bom ajuste no ambiente escolar, bom desempenho acadêmico, boas habilidades em alguma atividade extracurricular.

5. Conexão família-escola: a família conhece e mantém um relacionamento próximo com os professores e amigos de seu filho, um sistema de valores semelhante ao da escola e que predomina entre seus pares.

Dicas para pensar e agir diante da crise infantil de 6 anos

- Atende a um cronograma básico, algumas rotinas marcadas. Isso lhe dará segurança.

- Aproveite o tempo para ir para a cama para ensiná-lo a refletir. Criar um hábito de confiança será então inestimável. Comece a contar coisas suas. Também é positivo que você comece a criar interesse em ler.

- Tente passar mais tempo com seu irmão mais velho se você o tiver; Eu faço atividades com ele. Dê responsabilidades ao seu irmãozinho.

- Ainda precisando de muito carinho, que você o enche de beijos e carícias. Se você os rejeitar, respeite sua privacidade e tente novamente quando não houver testemunhas.

Em muitas ocasiões, é difícil manter o espírito calmo. Ele fica em seus nervos e você não pode ter paciência. Mas lembre-se sempre que a tensão e os gritos não levam a lugar nenhum. Não se preocupe em ceder o que não é essencial e não se deixe ir quando se tornar insuportável. Se ficar caprichoso, comece a choramingar ou a desafiar, deixe a regra bem clara, ignore-a, cante uma música e não deixe que ela deixe de fazer o que você a forçou a fazer. Se ficar estridente, é melhor sentar em um canto até que ele se acalme.

Maite Mijancos. Diretor do Instituto Europeu de Estudos Educacionais.

Vídeo: Crianças podem ter TRANSTORNO BIPOLAR? Crianças Bipolares?


Artigos Interessantes

Eduque em sentimentos

Eduque em sentimentos

Javier Urra Psicólogo e primeiro defensor infantilSomos treinados na aprendizagem do conhecimento, mas em que mais é necessário educar? "O conhecimento começa com sensibilidade" (Eliot). É...

Criatividade na infância promove empreendedorismo

Criatividade na infância promove empreendedorismo

O criatividade É uma forma de expressão com inúmeros benefícios, que deve começar a trabalhar com crianças de pequeno porte. Embora, em princípio, pareça ser criativo, é necessário ter um talento...

97% dos pais incentivam atividades extracurriculares

97% dos pais incentivam atividades extracurriculares

O atividades extraescolares eles são o complemento perfeito para a educação acadêmica das crianças. Eles ocupam o tempo de lazer e a lição de casa, mas são muito positivos para as crianças, de modo...