Riscos do consumo de álcool entre adolescentes

No início do consumo de álcool na adolescência, três grupos de fatores influenciam: fatores pessoais, precipitantes e de contexto. E, segundo os especialistas, a única proteção efetiva é a família que fornece às crianças as estratégias necessárias para dizer não, já que se antecipa a idade de início do consumo de álcool aos 11 anos de idade.

Os pais devem pagar multas e assumir a responsabilidade civil e criminal de seus filhos quando eles sofrem mais de um coma etílico, o governo prepara planos educacionais para tentar impedir o aumento e os riscos de consumo de álcool entre adolescentes ... Estes são alguns dos Notícias que estão em todas as mídias.

Danos causados ​​pelo álcool em adolescentes

A adolescência é um período de crescimento rápido e mudanças físicas, e é apresentado como um estágio crítico para o início do consumo de substâncias aditivas, substâncias que podem marcar em muitos adolescentes o acesso psicológico ao mundo dos adultos. Eles passam por um estágio de máxima vulnerabilidade, em que o desenvolvimento neurológico não foi concluído e o álcool afeta negativamente.


Nos últimos anos, tem havido estudos que ligam o consumo de álcool a danos cerebrais em adolescentes. Os principais fatores de risco associados ao consumo de álcool por menores são os seguintes:

- Alterações de relacionamento com a família, colegas e professores.
- baixo desempenho escolar.
- Agressões, violência, distúrbios da ordem pública.
- Adoção de comportamentos de alto risco, como dirigir depois de ter bebido, primeira causa de mortalidade nesta faixa etária.
- Atividades de risco sexual, que levam a gravidezes indesejadas e doenças sexualmente transmissíveis.
- aumento da doença alcoólica e de graves problemas de dependência dos jovens.
- Alterações na memória e processos de aprendizagem, com alterações cerebrais, tanto funcional quanto estruturalmente, e com diferenças nos danos observados em meninos e meninas, produzidos por diferentes padrões de consumo.
- intoxicação por álcool aguda (borrachera) é uma síndrome clínica produzida pelo consumo de bebidas alcoólicas abruptamente e em uma quantidade maior que a tolerância individual da pessoa. Dependendo da quantidade de álcool ingerida e da tolerância, o envenenamento agudo por álcool pode variar de desinibição leve a coma, com depressão respiratória e morte. A intoxicação aguda por álcool é o transtorno mental orgânico mais comum induzido pelo álcool, e há grande tolerância social no álcool, especialmente em adolescentes, jovens e nos fins de semana e feriados.
- O dia depois do consumo de álcool É possível diferenciar a existência de efeitos orgânicos e psicossociais com cefaleia, alteração do apetite, insônia, falta de uso do dia seguinte.


Fatores que explicam o consumo de álcool entre jovens

De acordo com os dados das últimas pesquisas, até 62% das crianças menores de 14 a 18 anos fizeram uma garrafa no ano passado. Especialistas explicam que no início do consumo de álcool em tenra idade, principalmente três grupos de fatores influenciam:

1) O pessoal. Como sua história pessoal; suas formas de resolver situações de conflito infantil; o uso de certos mecanismos de defesa habituais diante de situações que desestabilizam sua identidade, etc.

2) Os precipitantes. Como a percepção subjetiva do impacto das experiências que ele tem que viver, das quais ele pensa que nada acontece até acreditar que suspender um exame supõe o fim de sua existência. Neste ponto, deve-se notar que a adolescência é um nível muito alto de subjetividade, especialmente em qualquer aspecto que se refere a si mesmo; a capacidade de lidar com o manejo de dificuldades e desafios; o grau de capacidade cognitiva e flexibilidade para resolução de problemas, etc.


3) Aqueles do contexto. Quanto à existência ou não de redes solidárias de suporte que possui (principalmente a família); o nível de integração social, um grupo estável de amigos que conhecemos, não precisa ser pessoal e conhecemos os critérios educacionais de seus pais; a capacidade de diferenciar o real do imaginário e processar a informação de maneira coerente.
A interação de todos esses aspectos determinará a maneira peculiar pela qual cada adolescente irá resolver o grau de riscos que ele assumirá em suas respostas adaptativas.

Quando os adolescentes bebem álcool?

É indiscutível, e mais estudos científicos o apóiam, que a noite é um fator que encoraja o beber, e faz isso sem controle. No entanto, não podemos pensar que apenas durante a noite esses comportamentos ocorrem. Nas pesquisas mencionadas acima, afirma-se que 36% das crianças dizem que também consomem álcool durante a semana.
Antes de entrar na aula, ao sair, à tarde em um parque, na piscina, na praia ...Especialmente em uma circunstância em que eles estão em um grupo de iguais e não há mais nada a fazer. É muito difícil beber antes ou depois de um treinamento de basquete, um ensaio de música ou jogging. Também não beba álcool no cinema ou faça compras com amigos.

Por que os jovens bebem álcool?

É importante conhecer as razões que motivam esses alunos a beber e a maneira como eles fazem isso. Essa parte da análise também é aplicável aos jovens em geral, não apenas aos menores, uma vez que as motivações para consumir álcool e os padrões desse consumo são semelhantes e compartilhados. Em ambos os casos, o consumo de álcool tornou-se parte da cultura de lazer desses grupos.
Primeiro eles dizem que eles bebem: se divertir, por prazer, porque eu gosto do seu sabor.
E de cima para baixo as seguintes razões seriam: sentir novas emoções, esquecer problemas pessoais, superar minha timidez e relacionar-se melhor, flertar, com tédio ou falta de opções para ocupar o tempo livre, esquecer problemas familiares, fazer a mesma coisa que meus amigos fazem, porque às vezes me sinto mal (nervos, dificuldades para dormir), porque meus pais proíbem isso.

A única proteção eficaz contra o álcool: a família

É um grito de todas as instâncias, políticas, acadêmicas e sociais. Somente da família podemos fornecer aos nossos filhos as estratégias necessárias para saber dizer NÃO. Não a qualquer comportamento ou atitude que enfrente suas crenças e valores. E não são os discursos que educam nossos filhos. O maior protetor que podemos oferecer é saber que somos profundamente amados e especiais para nós mesmos. Uma auto-estima bem construída, firmemente enraizada em nosso amor, impedirá que eles precisem se relacionar com seus amigos ou que não saibam para onde se voltar quando tiverem algum problema.

Marisol Nuevo Espín

Vídeo: Os riscos do consumo de álcool entre os adolescentes | Momento Papo de Mãe


Artigos Interessantes

Dicas para escolher o nome do bebê

Dicas para escolher o nome do bebê

Você está esperando por um bebê e ainda não sabe qual nome colocar? Escolher o nome de nossos filhos nem sempre é uma tarefa simples. Existem inúmeros guias na Internet que podem nos inspirar, mas o...

Trauma: o que pode causar um trauma e por quê?

Trauma: o que pode causar um trauma e por quê?

Todos, em maior ou menor medida, mais ou menos conscientemente, vivemos situações que deixaram sua marca em nós. O problema aparece quando esse traço nos impede de levar uma vida normal, nos causa...

A venda de livros infantis ressurge

A venda de livros infantis ressurge

O que você dá a ele? Entre as propostas de presentes para nossos filhos, os melhores são sempre educativos e, dentro deles, os livros. Um pensamento que cada vez mais se estende entre os pais, pelo...