3% das crianças espanholas não são vacinadas pela decisão dos pais

Prevenir uma doença é o melhor tratamento para ela. Evite os sintomas antes mesmo de aparecerem um período de desconforto e possível contágio para o resto da família, amigos e pessoas ao nosso redor. Por esta razão, recomenda-se cumprir com o calendário de vacinas no menor para atingir esse objetivo.

Enquanto na Espanha a taxa de vacinação É muito bom, 97% das crianças cumprem o calendário, há uma pequena porcentagem de crianças que não recebem esses injetáveis ​​por decisão dos pais. É o que alerta o Grupo IPH, promotor do projeto Immuniza, que deixa claro que a guarda não deve ser rebaixada nessa área e que os casos em que menores de idade não seguem esses tratamentos preventivos devem ser monitorados de perto.


Importância da vacinação

Como eles indicam do Projeto imuniza "Com exceção do acesso à água potável, nenhuma intervenção humana pode competir com a imunização para combater doenças evitáveis ​​e reduzir as taxas de mortalidade". Graças a esses tratamentos, inúmeras doenças contagiosas foram controladas, evitando epidemias descontroladas.

No entanto, a tendência de não vacinar as crianças que tem sido visto nos últimos anos fez com que algumas dessas doenças infecciosas ressurgissem novamente. Um exemplo é o sarampo, que registrou novamente casos na Europa e as mortes foram registradas para essa condição.


Ao mesmo tempo, especialistas do Grupo IPH lembram a importância de manter a vacinação em adultos. Um exemplo é o injetável para evitar a gripe, que apesar de ser uma das taxas mais altas em adultos, é de cerca de 57%, segundo dados da campanha de vacinação do Ministério da Saúde. 2016-2017. Um número que está longe dos 75% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Uma situação que estes especialistas referem, por um lado, à limitada existência de doses em algumas áreas de Espanha e, por outro lado, à crença errada que a vacinação é uma coisa infantil. A principal consequência dessa situação é a maior probabilidade de contágio dentro do lar e o aumento da dificuldade em erradicar doenças.

Cumpra o cronograma de imunização

A Unicef ​​lembra aos pais a importância da vacinação de crianças para garantir a imunidade contra doenças geralmente mortais em alguns casos. Este organismo indica que essas doses agem reforçando as defesas da criança contra a doença, mas que elas só têm efeito se forem administradas antes que o problema apareça.


Vacinar uma criança quando apresenta sintomas de uma doença não tem utilitárioNo entanto, antes de fazê-lo, o menor tem os anticorpos necessários para lidar com condições contagiosas, como sarampo ou catapora. Além disso, essas doses são muito úteis para evitar problemas tão sérios quanto a tosse convulsa que pode causar a morte de crianças.

A Unicef ​​aponta que em alguns casos os pais não vacinam seus filhos por causa dos possíveis efeitos colaterais que estes geram nos pequenos: febre, tosse, etc. No entanto, este corpo observa que todos eles têm pouco importancia, se eles são comparados com a possível doença que eles causariam pelo contágio disto. Outra razão argumentada por alguns pais é que seus filhos sofrem de outra condição.

De Unicef ​​esclarece que não há necessidade de temer complicações na doença presente nos menores. A vacinação é perfeitamente compatível com o tratamento de condições comuns, como resfriados, embora seja sempre recomendável consultar o pediatra para possíveis complicações com um medicamento. No caso de bebês, este organismo recomenda manter a lactancia para que o pequeno também receba os benefícios deste alimento, como por exemplo seus anticorpos.

Damián Montero

Vídeo: Bonde das Maravilhas - Novo movimento (TOM PRODUÇÕES)


Artigos Interessantes

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

O jornal Ensino, pertencente ao grupo Siena, organiza próxima quinta-feira, 12 de novembro, a sétima edição do Protagonistas da Educação de Prêmios de Professores, pelo qual "o trabalho de todos...

Brigas entre irmãos

Brigas entre irmãos

É comum que quando as crianças atingem a idade de 4 ou 5 anos, os jogos que anteriormente compartilhavam com seus irmãos são frequentemente substituídos por brigas. As lutas são comuns em famílias...

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

É claro que ainda há um longo caminho a percorrer no campo da conciliação, porque existe uma certa lacuna cultural nas empresas. Então, o II Estudo sobre Conciliação e Amamentação realizada pela...