A importância da criatividade na infância

O criatividade pode ser definida como a capacidade de desenvolver e expressar o potencial humano a partir de diferentes áreas integradoras do ser humano: cognitivo e intelectual (de conhecimento e pensamento), volitivo e comportamental e afetivo. Isso é resolvido dentro de um ambiente propício ao pensamento livre, sem julgamentos ou condicionamento das características anteriores.

A educação busca metodologias que permitam desenvolver as qualidades e competências do indivíduo em geral, e da criança em particular, a partir de um ambiente que facilite o pensamento livre, com ferramentas que possam ser disponibilizadas para a descoberta de novas formas de uso e busca de alternativas para a solução de um problema ou uma dada situação. De diferentes disciplinas, a parte inconsciente do cérebro foi tratada como um propulsor da criatividade.


Como cultivar a criatividade desde a infância?

A família, como o primeiro grupo de interação social do ser humano, é um meio especial e único que pode favorecer ou dificultar o despertar da criatividade.

Se a cultura que é criada em uma família tem as características de ser uma família aberta e tolerante, com gestos de aceitação e amor incondicional na criança, ele será convidado a explorar por si mesmo, a refletir, a conquistar sua autonomia fazendo coisas para em si e resolver dificuldades; o que o ajudará a resolver conflitos, a estabelecer relações de confiança e afeto e a adquirir um autoconceito positivo com uma auto-estima ajustada, capaz de enfrentar novas situações, adaptando-se às normas e criando novas baseadas na empatia e respeito por si mesmo e outros, e aprenda com dificuldades e erros com certa tolerância à frustração.


Como na escola, onde a criança começa a conviver com seus pares e outros adultos. Ele percebe que não é necessário ter as mesmas idéias para realizar uma tarefa, nem a mesma lógica em sua maneira de pensar para resolver problemas. Ele aprende que, com criatividade, descobre melhor o ambiente e aqueles que o acompanham, e ele é um ser criativo e criativo, que não existe uma realidade única para todos e que várias opções podem ser válidas. Isto é graças à criação de um espaço e um ambiente que defende a tolerância, o conhecimento e a aprendizagem através da descoberta e livre expressão de interpretações de seus movimentos, expressão plástica (desenho) e expressão comunicativa de acordo com as regras básicas de coexistência e respeito. Para fazer isso, o professor deve incentivar o pensamento criativo, e desde que o jogo é uma boa porta de entrada.

Recursos que favorecem a criatividade

1. O jogo O jogo ajuda a relaxar, a se sentir livre de condicionamentos, a aprender enquanto desfruta do que você experimenta e a gerar bom humor. O bom humor está diretamente ligado ao desenvolvimento de criatividade do cérebro e ajuda a lembrar melhor o que é vivido. Também incentiva a espontaneidade, a intuição, a fantasia, a capacidade de analisar, conhecer novas perspectivas e experiências positivas com outras pessoas que farão parte de nossa memória emocional.


2. a música. A música ativa o pensamento lateral, o que nos permite combinar diferentes áreas do nosso cérebro para enriquecer a área mais racional com a intuitiva. A música é universal, ativa diferentes estados de espírito e, com as diferentes emoções que experimentamos, podemos adotar diferentes posições na mesma situação, investindo estruturas anteriores e gerando mudanças.

3. O desenho. O desenho como expressão também tem sido um meio bem estudado, desenhos de uma idade precoce são os mesmos em crianças de diferentes países ou culturas, com diferentes níveis econômicos e com diferentes recursos à sua disposição. De fato, estuda-se uma evolução do desenho e, em particular, da figura humana na infância, com uma notável evolução de 3 a 6 anos. Se permitirmos expressar através do desenho, é aconselhável permitir um desenho livre, sem tentar interpretar o que a criança expressa, já que não será bom nem ruim, será seu trabalho, sua expressão. Com avaliações de nossa interpretação, estaríamos enviando mensagens que condicionariam o modo de expressão da criança e, portanto, como ele vê sua realidade, para se adaptar à aprovação do adulto, e não de seu próprio desenvolvimento pessoal.

4. Outros recursos, tais como escrita criativa, linguagem corporal, leitura criativa, metáforas e paradoxos, questões reflexivas e provocativas e visualização. A visualização é muito útil em crianças, pois elas têm grande capacidade imaginativa para criar diferentes cenários da realidade em que podem resolver conflitos e alcançar um nível de bem-estar natural, ajudando-os a se acalmar e a transformá-los em crianças mais reflexivo e flexível na busca de alternativas.

Qualidades que favorecem a criatividade

As qualidades que favorecem a criatividade, segundo Torrance (1978), baseadas na educação escolar e familiar são:
1. Curiosidade
2. A flexibilidade
3. Autoconfiança
4. Sensibilidade aos problemas que ocorrem em torno deles
5. Criatividade
6. A redefinição de problemas e situações
7. A originalidade
8. A capacidade de perfeição, não conformismo

Em conclusão, a chave para a criatividade é a motivação para fazer algo criativo. O que torna isso mais divertido. Devemos educar desfrutando e aproveitar enquanto educamos.

Raquel de Diego. Coach especialista em coaching para famílias e casais. Conciliafam

Pode interessar-te:

- Criatividade na infância promove empreendedorismo

- Idéias para melhorar a criatividade em casa

- Criatividade em crianças, como desenvolvê-lo no dia-a-dia

Vídeo: Criatividade na infância


Artigos Interessantes

AEP publica seu guia prático para pais on-line

AEP publica seu guia prático para pais on-line

A Associação Espanhola de Pediatria AEP coloca nas mãos de todas as famílias um Guia prático para pais, desenvolvido em colaboração com Dodot, que pretende ser um livro completo de consulta das...