Violência não é uma boa resposta contra o assédio

O intimidação Tornou-se um problema que tem se concentrado em uma grande preocupação entre pais, educadores e as vítimas do bullying: os estudantes. Por isso, dia após dia, trata-se de encontrar a solução que põe fim a essa questão dentro das salas de aula, mesmo aqueles que incitam a responder com violência a esses ataques.

Mas não, a violência não é a resposta à violência. Por mais que a criança se sinta estressada e sobrecarregada por essa situação, devemos ensiná-lo a manter a distância e pedir ajuda em vez de responder da mesma maneira. assediador. Este modo de agir só pode levar a um agravamento da situação que nunca irá resolvê-lo.


Ensine a controlar emoções

Desde a Fundação Nemorus Percebe-se que muitas vezes a resposta violenta por parte das crianças assediadas se deve a uma "explosão emocional", depois de ver meses e meses como vítimas de seus companheiros. Depois de tanto tempo sendo assediados no final, eles decidem responder violentamente para canalizar toda a raiva e frustração que foram salvas.

A criança, quando criança, deve ser ensinada a controlar essas emoções para não ser levada por elas e reagir forma racional a estas situações. A criança deve ser ensinada que antes de confrontar violentamente seu agressor, ele deve pedir ajuda de professores para adultos. Uma luta pode parecer a única maneira de escapar, mas isso só piorará a situação, já que o perseguidor provavelmente responderá ao golpe, levando a um clima constante de violência.


Uma boa maneira de instilar esse ensinamento é mostrar a coragem que vem de lidar com esse problema como adulto. Com uma luta ele não vai resolver nada, mas se ele colocar a atenção dos professores, eles poderão fazer muito e até mesmo tomar medidas contra o perseguidor para que ele e seus companheiros deixem de ser vítimas dele.

Detectar assédio

Talvez por medo de represálias as crianças não se comunique sua situação para adultos. Portanto, pais e educadores devem estar atentos a possíveis sinais desse problema para agir por eles:

- lesões inexplicáveis. Feridas constantes e crianças que não querem falar sobre isso.

- Perda ou quebra de roupas e outros objetos, especialmente aqueles considerados "valiosos" por crianças.

- Dores de cabeça ou estômago frequentes, sensação de desconforto ou simulação de doença constante para evitar ir à escola.


- Mudanças nos hábitos alimentares, tais como pular refeições ou atracar em resposta ao seu nervosismo.

- Dificuldade em adormecer ou pesadelos frequentes. Notas baixas, perda de interesse em trabalhos de casa. A criança nega manifestos a qualquer assunto relacionado à escola.

- perda repentina de amigos ou desejo de evitar situações sociais.

Damián Montero

Vídeo: HOMOFOBIA NA RUA - TESTE SOCIAL


Artigos Interessantes

Que tipo de personalidade nossos filhos têm

Que tipo de personalidade nossos filhos têm

Cada pessoa é como um floco de neve, não há dois exatamente o mesmo. Isso se reflete em um estudo da Universidade Carlos III de Madri que encontrou quatro tipos básicos de personalidade em que eles...