Os riscos do auto-engano: você sabe dialogar consigo mesmo?

Uma pessoa que é incapaz de ver suas virtudes e talentos, quem vê e quem é a causa de sua apreciação, acha muito difícil confiar em si mesma, sentir-se seguro e otimista em seus projetos e objetivos vitais. Para evitar essa distorção negativa da realidade pessoal, o psiquiatra Fernado Sarráis, autor do livro O dialogo, explica que "é conveniente dialogar freqüentemente consigo mesmo, sem preconceitos e sem medo de ver e aceitar a própria realidade".

Geralmente, "auto-engano é geralmente o resultado de enganar os outros de antemão". Então, existem dois antídotos para evitar mentir: aprender a sofrer com bom humor, ser corajoso e não temer sofrer pela verdade, e ter um projeto firme. uma boa e verdadeira pessoa interior, que fará com que muitas pessoas nos amem e, como conseqüência desse afeto, seremos felizes. Além disso, ser boa e autêntica (sincera) auto-estima aumenta e é mais fácil amar a nós mesmos e viver com paz interior ", explica Fernando Sarráis, autor do livro O dialogo.


Nós mentimos quando temos medo do sofrimento e tentamos evitar esse sofrimento com uma mentira. Nessas ocasiões, não agimos de acordo com a razão e a vontade, que sempre querem o bem e, portanto, a verdade e a sinceridade. É necessário treinar a vontade para que ela controle a afetividade e não permita que o medo nos impele a mentir aos outros e a nós mesmos.

O que tem uma prioridade de cabeça ou coração?

Existem duas qualidades específicas do ser humano: razão e liberdade (que é uma qualidade da vontade). O psiquiatra Fernando Sarráis explica que "estas duas qualidades são consideradas próprias da cabeça, que é direcionar a vida interior e o comportamento de cada pessoa para obter a melhor maneira de viver o mais feliz possível nesta vida". O coração é considerado sinônimo de afetividade, que procura sentir-se bem ou deixar de sentir-se mal no momento presente, ainda que, ao fazê-lo, estimule a ação contra a razão ".


Desta forma, você pode se sentir bem a curto prazo, mas você está infeliz a médio e longo prazo. Então, o que tem prioridade, a cabeça ou o coração? O autor do livro O dialogo Ele afirma que "no ser humano a prioridade é a cabeça". E, como o objetivo prioritário da cabeça é a felicidade de toda pessoa, ele deve lutar todos os dias para alcançar uma harmonia hierárquica entre a cabeça (razão e vontade) e o coração. (afetividade), porque conflitos e divisões internas produzem angústia e fraqueza e causam doenças mentais e dificultam a obtenção da felicidade ".

No entanto, o caminho para alcançar este desafio não é fácil. "Para atingir esse objetivo com sucesso, você precisa de bons modelos em seu ambiente e um incentivo contínuo de educadores, para alcançar esse equilíbrio ou harmonia entre sua cabeça e coração é estar psicologicamente maduro", diz Fernando Sarráis.


Psicologia positiva: evite o auto-engano

A psicologia positiva visa promover a aquisição e desenvolvimento de aspectos e qualidades positivas do ser humano, para ajudá-lo a ser feliz e fazer os outros felizes. É por isso que está dando um impulso ao estudo da criatividade, autonomia, empatia, altruísmo, resiliência, assertividade, etc.

"Este ramo da psicologia está ajudando a destacar o aspecto interno da personalidade na educação familiar e escolar, para obter pessoas maduras e felizes, contrabalançando assim o grande interesse que na sociedade de hoje tem a preocupação de alcançar um corpo ideal ", conclui Sarráis

Marisol Nuevo Espín

Para saber mais:
O dialogo
deFernando Sarráis. Edições Teconté.
Leia aqui oprimeiro capítulo de O dialogo

Vídeo: Dicas para lidar com um familiar dependente químico | Assista agora!


Artigos Interessantes

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

Prêmios do professor aos protagonistas da educação

O jornal Ensino, pertencente ao grupo Siena, organiza próxima quinta-feira, 12 de novembro, a sétima edição do Protagonistas da Educação de Prêmios de Professores, pelo qual "o trabalho de todos...

Brigas entre irmãos

Brigas entre irmãos

É comum que quando as crianças atingem a idade de 4 ou 5 anos, os jogos que anteriormente compartilhavam com seus irmãos são frequentemente substituídos por brigas. As lutas são comuns em famílias...

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

43% das mães que amamentam têm problemas em conciliar

É claro que ainda há um longo caminho a percorrer no campo da conciliação, porque existe uma certa lacuna cultural nas empresas. Então, o II Estudo sobre Conciliação e Amamentação realizada pela...