Ano novo na família: compromissos e boas intenções

Nessa lista que todos preparamos, mentalmente ou por escrito, para receber o Ano NovoÉ conveniente que revisemos o que precisa ser melhorado em cada casa, em cada casamento, em cada família, e que ajudemos nossos filhos a considerar quais são as lutas internas com as quais eles têm que lutar. Com o apoio da família, crescer é, para todos, os pais incluídos, muito mais fácil.

Algo vermelho, algo novo, algo emprestado, as doze uvas depois das salas, sem cometer erros, sem nos sufocar, e a lista de bons propósitos bem amarrado na mão. Chegou a hora Ano Novo e, quando as torradas e fogos de artifício terminaram, enfrentamos a inclinação de janeiro com uma certa predisposição para vencer a batalha pelo desânimo.


Mas além dos compromissos típicos, aqueles de parar de fumar, perder alguns quilos ou fazer mais esporte, o Ano Novo nos dá uma oportunidade inigualável para melhorar como pessoas. Não há receitas sobre o que devemos escrever na lista de compromissos porque os pontos de luta são absolutamente pessoais. O segredo é rever os aspectos do nosso comportamento diário que não apenas nos ajudam, mas também facilitam a vida dos que nos rodeiam.

Casamento, a pedra angular

A sociedade pós-moderna, excessivamente individualista, tende a propor como áreas únicas de melhoria aquelas que resultam em benefício imediato imediato. Por isso, nas listas de Ano Novo aparecem tantas intenções para não fumar, perder alguns quilos ou ir mais ao gimnasio.


Sem nenhuma dessas propostas tendo algo errado, a verdade é que existem muitos outros compromissos que, na medida em que resultam no bem comum, tornarão a vida de todos mais simples.

A base para uma família trabalhar é para o casamento funcionar, para que os compromissos do pai e da mãe que vão na linha de melhorar a vida do seu parceiro beneficiem a todos. Não podemos definir metas muito abstratas porque será difícil verbalizar em quais tarefas específicas serão desmembradas. Os objetivos específicos, específicos de cada família e de cada pessoa, são os que devem ser alcançados: ter um gesto de carinho ao entrar na casa, fazer uma tarefa que deixa o outro desconfortável, trazer aquele detalhe de comer que ele tanto gosta a compra...

Para elaborar os detalhes da lista, precisamos fazer um exame preliminar de consciência, não apenas de nosso comportamento individual, mas de nosso comportamento como um casal, ou seja, não é apenas avaliar o que cada um acredita fazer certo e errado, mas olhe para isso do ponto de vista do que o seu vizinho pensa.


O resultado deste trabalho individual será uma relação mais cuidadosa a partir da qual o compromisso inicial ressurge com força. Quando os pais confiam mais em seu casamento, voltam-se mais para seus filhos e a educação melhora graças à coerência da mensagem, que em certas ocasiões terá envolvido muitas horas de debate.

Muito a melhorar como pais

Entre as áreas de nossas vidas em que nosso comportamento é crucial para a sociedade, às vezes cometemos o erro de pensar que é trabalho, mas a realidade é bem diferente: é nosso trabalho como pais que terá o maior impacto no futuro. E, muitas vezes, pressionados pela pressa do dia a dia, não nos preocupamos em olhar para trás e verificar como fizemos.

Seja crítico de nós mesmos Isso não significa ser pessimista, cair no erro de pensar que tudo está errado. Pelo contrário, os pais agem surpreendentemente bem em situações que nos parecem totalmente novas em tempos e lugares insuspeitados. No entanto, se subtrairmos aquele "efeito surpresa" imprevisível que a educação tem, poderemos melhorar alguns detalhes concretos na vida cotidiana da família.

Mais uma vez, é importante que a lista de finalidades seja muito clara e concisa. É a única maneira de lembrar o que definimos no exato momento em que estamos prestes a cometer o erro. Então, melhor do que "não gritar", podemos especificar "pergunte, por favor, venha para a mesa". Todo mundo sabe onde estão seus pontos de luta.

E nossos filhos também os conhecem. Um bom gesto de humildade e confiança é sentar-se com nossos filhos para que eles sejam os que nos ajudam a determinar quais são os pontos a serem vencidos. Com segurança suficiente, haverá duas respostas muito repetidas na maioria das casas: dedicar mais tempo de lazer e não usar tanto o celular. O lazer é difícil de gerenciar com as taxas de trabalho atuais. Mas talvez seja necessário considerar se não é preferível passar um dia caminhando para lavar todas as cortinas da casa. O veículo móvel que os pais usam principalmente para manter suas relações sociais pode se tornar, se não um vício, um elemento que quebra os momentos da vida familiar.

Ajude as crianças com suas listas

Embora as crianças se conheçam muito melhor do que pensamos, na verdade, nós tendemos a tê-las tão "rotuladas" que dificilmente podem esquecer qual é o seu defeito, elas se beneficiarão da ajuda para determinar em quais aspectos elas devem enfatizar para melhorar . O que pode parecer menor no modo de ser de nossos filhos, geralmente é fundamental com base em hábitos, as virtudes são construídas isso os tornará boas pessoas amanhã. A maneira de trabalhar é diferente dependendo da idade das crianças.

No caso de crianças pequenas, o caráter ainda é moldável se certos hábitos estiverem sendo trabalhados. Mas devemos levar em conta a maneira de criá-los. Se em adultos esses compromissos têm que ser concretos, em crianças, muito mais. Sua capacidade de concentração é muito limitada e eles não se lembram de um pedido por muito tempo também. Assim, por um lado, a lista deve descer ao específico e, por outro, ter uma delimitação temporária, como "deixar a sala arrumada antes de ir para a escola".

Com os adolescentes, o processo torna-se mais complexo e depende, em grande medida, do nosso relacionamento fluido com eles. Não é que estabelecemos um vínculo de amizade, pelo contrário, somos seus pais e esperamos que sejamos amigos. Nós não somos seus melhores amigos nem devemos ser. É sobre sentir-se compreendido e amado. Mas para aquelas fortes emoções que abalam seu cérebro no processo de adaptação à maturidade, é improvável que um adolescente voluntariamente decida nos ignorar em algo que exija esforço.

A abordagem nesse processo tem que ser o oposto: nosso desafio como pais é guiá-los na análise para que sejam eles que cheguem às conclusões e tomem a determinação das mudanças que desejam realizar. A chave, novamente, está na concreção. E neste caso, é essencial que haja muito poucos compromissos assumidos para evitar um "fardo" excessivo, para usar o termo que eles usam, para arruinar toda a lista. É essencial que eles entendam o seu compromisso como um ponto real de luta em que querem melhorar, mesmo que isso lhes custe muito, caso contrário, não seria uma luta. No momento em que você considera uma imposição e eles não são assim, ela irá parar de funcionar.

María Solano

Vídeo: Como Fazer ELE Assumir Um Relacionamento Sério? - Casal Austrália


Artigos Interessantes

Exames pré-natais, o que você precisa saber?

Exames pré-natais, o que você precisa saber?

Quão bonita é a experiência de gravidez, mas quantas perguntas não respondidas. Quando recebemos a notícia de que um novo membro está prestes a vir para a família, não é dado um livro de instruções....

Seus pés em boas mãos: chaves para pedicuro infantil

Seus pés em boas mãos: chaves para pedicuro infantil

A saúde dos nossos pés é uma parte essencial do nosso corpo. Por que isso é tão importante? Quais são os cuidados básicos que devemos ter sempre em mente? Quando vamos levar as crianças ao podólogo?...

Alimentos para prevenir e combater a anemia

Alimentos para prevenir e combater a anemia

O anemia É uma doença que causa fadiga e falta de energia. O responsável por esses sintomas é o falta de ferro, um mineral essencial para o bom funcionamento do corpo e que é necessário para a...